domingo, 27 de maio de 2012

Israelenses descobrem joias de 3.000 anos escondidas em cerâmica

Por volta do ano 1100 a.C., a dona de uma requintada coleção de joias resolveu escondê-las numa vasilha de cerâmica, enrolando brincos e anéis de ouro em pedaços de tecido. Não se sabe por que ela fez isso, mas arqueólogos israelenses acabam de trazer esse tesouro à tona.

O achado ocorreu em Megido, antiga cidade do norte de Israel que é uma das mais estudadas recentemente.

  Jack Guez/France Presse - Brinco de ouro com imagens de íbex (cabra selvagem) e outras joias foram encontrados na cidade de Megido    

Segundo os especialistas da Universidade de Tel Aviv, liderados por Israel Finkelstein e David Ussishkin, tanto a abundância de ouro quanto a presença de certas pedras semipreciosas entre os artefatos sugerem influência cultural e econômica do Egito sobre os moradores da cidade.

Faz sentido quando se considera o período em que se encaixam os achados. Trata-se de uma época nebulosa, o início da Idade do Ferro, quando as tribos que passariam a ser conhecidas como israelitas (ancestrais dos atuais judeus) ainda não tinham grandes assentamentos.

Por outro lado, algumas antigas cidades-Estado, como a própria Megido, ainda resistiam, mantendo seus elos com os egípcios, antigos senhores da Palestina que, no século anterior, tinham perdido seu domínio por causa de invasores bárbaros.

Não se sabe exatamente quando, mas Megido acabou sendo incorporada ao reino de Israel. A cidade era importante por estar localizada numa rota-chave entre a Síria e o Egito, o que explica a riqueza dos achados.

Esse papel estratégico também fomentou batalhas, como a que levou à morte do rei israelita Josias em 609 a.C.

Em comunicado, Finkelstein e seus colegas afirmam que seu próximo passo é analisar quimicamente as joias, o que trará dados mais claros sobre o seu local de origem.

Fonte: www1.folha.uol.com.br

O líder que Deus usa - Russell P. Shedd

Na página referente aos LIVROS postamos a obra "O líder que Deus usa" do Pr Russell P. Shedd. 

Desde já convido os irmãos de perto e da distância a ler essa esclarecedora obra sobre liderança cristã.

Jerônimo Viana

sábado, 26 de maio de 2012

Novas descobertas arqueológicas sobre cidade onde Jesus nasceu


A primeira prova arqueológica da existência da cidade de "Belém" ( Beit Lechem ) Já durante o Primeiro Templo Durante a triagem das escavações arqueológicas da Autoridade de Antiguidades de Israel da cidade nas muralhas doParque Nacional da Cidade de Davi em Jerusalém revelaram o nome da cidade em hebraico antigo.

Estes são os primeiros artefatos antigos que é uma prova concreta da existência da cidade de Belém que é mencionado na Bíblia, e foi descoberto recentemente em Jerusalém.

Durante o projeto do Parque Nacional de Tzurim, que filtra as escavações arqueológicas realizadas por terra a Autoridade de Antiguidades sob o financiamento da organização David Elad em todos os lugares todo o tamanho de cerca de 1,5 cm. Bulla é um pedaço de argila, que assinava documentos ou objetos.

As Bullas ou Selos eram utilizadas para enviar documentos ou objetos e para manter sua integridade, era prova de que o documento ou objeto não foram abertos ou violados por alguém que não está autorizada a fazê-lo. Na bulla estão inscritas três linhas, em hebraico antigo:

בשבעת
בת לחם ( Beit Lechem - Belém )
[למל]ך

De acordo com Eli Shukron, diretor das escavações, "Parece que no sétimo ano do rei (não tenho certeza se este é Ezequias, Manassés, ou Joás), enviou de Belém a Jerusalém para entregar ao rei uma Bulla encontrada pertence a um grupo selos chamados de slos ficais - assinando as transferências administrativas dos selos, sendo transferidos o sistema de tributação do Reino de Judá, no final da oitava ou sétimo séculos AC. O imposto pode ter sido transmitida sob a forma de dinheiro, ou jarros de produtos agrícolas de vinho ou de trigo.

"Dr. Shukron enfatiza que," Este é o primeiro artefato onde o nome de Belém aparece fora da Bíblia, no período do Primeiro Templo e indica e comprova que Belém era de fato uma cidade judaica neste período, no reino da Judéia.

E talvez mesmo em tempos anteriores obviamente" Belém mencionada na Bíblia primeiramente como Efrata, Rachel morreu e foi sepultada neste local. Em Belém, os filhos de Judá, e entre eles o Boaz que se casou com Rute também viveram alí.

A importância de Belém cresceu nas escrituras apartir da unção de Davi como Rei de Israel descrita no livro de Samuel

Um bom líder

Tenho aprendido nesses dias sobre liderança cristã. Descobrir que um bom líder deve se caracterizar por ser uma pessoa cheia do Espírito de Deus, que seus atos tenham as marcas da santidade, fé, amor e sabedoria. Essas são marcas de um verdadeiro servo de Deus.

Se buscarmos na palavra de Deus líderes conforme o coração de Deus, veremos que algumas destas características será mais forte em alguns personagens do que em outros. Nesse caso a SABEDORIA é melhor visualizada [opinião pessoal] em Daniel.

Quando penso em sabedoria não me reporto a capacidade que alguém desenvolveu para resolver problemas tendo como objetivo ganhos pessoais ou coletivos [sabedoria humana], mas a sabedoria que vem do alto [Tiago 3.17].

Foi baseado nesta sabedoria que Daniel escolheu um cardapio vegetariano a se contaminar com as iguarias do rei. Mas, de que Daniel recusava a participar? A resposta a está pergunta é:

a. de comer carne impura [Lv 11; Dt 14. 3-21] ou com sangue [Dt 12.23-24].
b. Beber vinho consagrado aos idolos [Dt 32.38; 1co 10.21].

Daniel igualmente demonstrou sabedoria quando não fez segredo de sua vida de oração [mesmo correndo perigo de vida] para que outros pudessem também desenvolvé-la [Dn 6]. A sua ida  e retorno da cova dos leões só foi possivel devido sua intensa intimidade com Deus.

O depoimento de Nabucodonossor [Dn 4.34-35] é uma clara alusão aos conselhos e orientações de Daniel ao rei babilônico. Com certeza os judeus contemporâneo de Daniel sentiram-se mais fortalecidos e confiantes em sua fé. Daniel foi um homem usado por Deus para ser benção a seus irmãos.

E vovê meu irmão de perto e da distância, já pensou nisso? Deixemos de lado todo o embaraço, carnalidade e sejamos bençãos, pois é isto que Deus pede dos seus filhos.

ROGO-VOS, pois, eu, o preso do Senhor, que andeis como é digno da vocação com que fostes chamados, Ef 4.1

Técnica israelense transforma células da pele em tecido do coração

Fonte: Jornal Aleff
Pela primeira vez, cientistas israelenses conseguiram transformar células da pele de pessoas com doenças do coração em células sadias do músculo cardíaco, transplantando-as com sucesso em ratos. A informação é da revista médica "European Heart Journal". Segundo os pesquisadores, a conquista significa um avanço na busca por tratamentos que permitam curar o coração de um paciente com suas próprias células. 

Pesquisas recentes com células-tronco e engenharia de tecidos já conseguir reprogramar células de indivíduos jovens e saudáveis, mas até agora isto não tinha sido feito a partir de células de pacientes com doenças coronarianas e idosos. "Demonstramos que é possível extrair células da pele de um idoso com um problema cardíaco avançado" e transformá-las em "células saudáveis e jovens, equivalente ao que eram quando nasceu o paciente", afirmou Lior Gepstein, pesquisador do Sohnis Research Laboratory.

Os especialistas das três instituições científicas que realizaram o estudo obtiveram células cutâneas de dois homens de 51 e 61 anos com problemas cardíacos, as reprogramaram como células cardíacas e conseguiram juntá-las a uma amostra de tecido cardíaco danificado num prazo de 48 horas. 

Em seguida, implantaram com sucesso o tecido no coração de vários ratos saudáveis. Gepstein considera que sua técnica poderá superar dois dos principais obstáculos deste tipo de pesquisas: o risco de que, uma vez implantadas, as células se transformem em tumores e a rejeição por parte do sistema imune do paciente. 

O fato das células reprogramadas procederem do próprio paciente evitaria que o sistema imune as considere "estranhas", no entanto, isso ainda não foi feito em seres humanos. Os cientistas dos centros Sohnis Research Laboratory, Technion-Israel Institute of Technology e Ramban Medical Center advertiram que ainda é necessário superar vários obstáculos para que estes tratamentos tenham êxito em humanos.

sexta-feira, 25 de maio de 2012

Acontece hoje o Dia Mundial de Oração pela Igreja na China

Hoje, 24 de maio, está sendo celebrado o Dia Mundial de Oração pela Igreja na China, o movimento que envolve cristãos em todo o mundo é realizado pela Igreja Católica, tem como objetivo principal interceder pelos cristãos chineses. Conforme afirmou o bispo emérito de Hong Kong, cardeal Joseph Zen, “a jornada é uma expressão da preocupação do Papa pela igreja na China”. Zen disse que o Papa “acredita profundamente no poder da oração”.

E acordo com a agência Fides, o movimento tem motivado os cristãos, na China, um grupo de portadores de deficiência auditiva e visual da cidade de Wen Zhou, província de Zhe Jiang, fez uma peregrinação pelas ruas da cidade acompanhado por sacerdotes, religiosos e fiéis leigos.

O cardeal Zen explicou que a perseguição contra a igreja e os cristãos é cada vez mais real e concreta, pois o governo chinês tem atuado a fim de conter a igreja. As autoridades proibiram algumas peregrinações a manifestações cristãs em determinados períodos.

Joseph Zen disse que para a os cristãos chineses é muito importante saber que a igreja e os cristãos em todo mundo intercedem por eles. Para ele é uma forma de ajudar aqueles que são perseguidos por serem seguidores de Cristo.

Fonte: Gospel+

quinta-feira, 24 de maio de 2012

Momento de dor

É no momento de dor que avalio a minha finitude
Tudo mais parece besteira, coisas de menor valor
A autosuficiencia desapareceu por completo
Sinto toda minha mortalidade de forma intensa

O medo também faz parte deste processo e choro
Lamento por muitas coisas que não fiz ou fiz
Minha sensibilidade espiritual está a mil por hora
Penso em Deus de forma concreta a ponto de tocá-lo

Observo que a cada momento de entrega
Quando me desarmo das garantias materiais
um profundo alivio toma conta da minha alma
E dou meu primeiro passo sobre as águas rumo a Cristo

Estou certo que não estou só, pois Deus é meu alento
Em minha cama ou pelas ruas posso até sentí-lo
Penso no futuro não como sonho, mas uma possibilidade
Deus é a minha garantia de dias melhores



Arqueólogos encontram artefato que prova existência da Belém bíblica


A Autoridade de Antiguidades de Israel anunciou nesta quarta-feira (23) uma descoberta arqueológica que pode comprovar a existência da cidade de Belém citada na Bíblia no Velho Testamento. Até essa descoberta, não havia evidências que comprovassem a existência da cidade, citada na Bíblia como terra natal de Jesus.

A evidência encontrada em Jerusalém, pelos arqueólogos israelenses, é um selo de argila com três linhas de texto em hebraico, que incluem a palavra “Belém”. Essa é a primeira evidência arqueológica da existência de Belém durante o período em que aparece descrito na Bíblia. A peça remete a uma época posterior, a do Primeiro Templo Judeu (1006 – 586 a.C.), citada no Antigo Testamento como parte do reino da Judéia.

O responsável das escavações, Eli Shukron, explicou em comunicado: “É a primeira vez que o nome de Belém aparece fora da Bíblia em uma inscrição do período do Primeiro Templo, o que prova que Belém era uma cidade no reino da Judéia e possivelmente também em períodos anteriores”. De acordo com o Terra, ele acrescentou ainda que “a peça é do grupo dos ‘fiscais’, ou seja, uma espécie de selo administrativo que era usado para carimbar cargas de impostos que se enviavam ao sistema fiscal do reino da Judéia no final dos séculos VII e VIII a.C”.

Belém se localiza ao sul de Jerusalém, no atual território da Cisjordânia.

Fonte: Gospel+

Estudiosa defende importância do estudo da fé como mecanismo de cura

Por Dan Martins em 23 de maio de 2012 


A doutora em estudos religiosos da Universidade de Indiana, Candy Gunther Brown, lançou recentemente o livro Testing Prayer: Science and Healing (Testando a prece: Ciência e Cura, em tradução livre), que relata casos de sucesso da aplicação de orações no tratamento de doentes e demonstra como o método de cura pela prece é usado por diferentes culturas.

Brown afirma que pesquisadores devem deixar de lado seus preconceitos e estudarem a fundo como o sobrenatural pode influenciar na cura de doenças e melhorar a saúde pública. “A verdade é que as pessoas rezam pela cura e isso pode ter um efeito sobre a saúde delas. Não importa se os efeitos da prece são positivos ou negativos, é preciso descobrir se rezar pela cura de problemas de saúde faz diferença para que possamos proteger a saúde pública”, afirma.

Questionada, em entrevista ao Terra, se estudar a influência da oração na cura de doenças não seria similar a tentar provar a existência de unicórnios, a estudiosa afirmou: “O exemplo dos unicórnios não tem importância, pois a existência ou não deles não tem consequências para o mundo real. Mas cura pela oração tem consequências para o mundo real”.

Brown afirmou ainda que estudou especificamente a oração cristã, e que usou testes clínicos para comprovar a eficácia das orações como ferramenta de cura.

Leia a entrevista na íntegra.

Terra: Por que cientistas, que precisam lutar para conseguir financiamento para estudos convencionais e fundamentais para a descoberta de novos tratamentos médicos, deveriam se dedicar a estudar algo polêmico e difícil de ser determinado como o poder das orações na cura de problemas de saúde?

Brown: A verdade é que as pessoas rezam pela cura e isso pode ter um efeito sobre a saúde delas. Não importa se os efeitos da prece são positivos ou negativos, é preciso descobrir se rezar pela cura de problemas de saúde faz diferença para que possamos proteger a saúde pública.

Terra: Mas provar que a oração pode ou não ser eficaz para o tratamento de doenças não seria algo impossível de ser constatado visto seu caráter subjetivo e sujeito a interpretações pessoais? Não seria como, por exemplo, tentar provar ou desprovar a existência de unicórnios? Nunca alguém provou ter visto essas criaturas mágicas, mas cientificamente, isso não é prova suficiente de que unicórnios não existem e algumas pessoas ainda podem acreditar que eles existem.

Brown: O exemplo dos unicórnios não tem importância, pois a existência ou não deles não tem consequências para o mundo real. Mas cura pela oração tem consequências para o mundo real. Assim como pessoas que usam outros métodos para tentar aprimorar a saúde, seja pelo meio da medicina, de curandeiros ou de outros tipos de práticas ou alternativas. Portanto, essa é uma questão relevante para os cientistas preocupados com a melhora da saúde pública.

Terra: Atualmente, a ciência parece mais ou menos aberta ao sobrernatural?

Brown: Depende do lugar. A ciência provavelmente está mais aberta ao sobrenatural no Brasil do que nos Estados Unidos. Mas mesmo nos EUA, as pesquisas sugerem que até 73% dos médicos acreditam que algum tipo de cura acontece por meio de causas sobrenaturais ou miraculosas. Na maior parte da história e na maioria das culturas sempre houve uma expectativa de que existe uma relação entre o sobrenatural e o natural. Mas, por volta do Período do Iluminismo até o século passado, houve uma menor crença no sobrenatural, particularmente no mundo ocidental. No entanto, acredito que estamos voltando a ter uma maior abertura em relação ao sobrenatural, conforme as pessoas concluem que a ciência não oferece todas as explicações para o que acontece no mundo. Mesmo com os melhores tratamentos médicos nem todos os problemas de saúde podem ser curados e não existe possibilidade de encontrar cura para eles no futuro próximo.

Terra: Culturas diferentes rezam de modo diferente?

Brown: Esse é o caso até mesmo em regiões diferentes de um mesmo país, mas também existe um tipo de cultura cristã global, com grupos que atuam em diversos países. Um dos grupos que estudei foi o grupo americano Global Awakening (Despertar Global) que visita o Brasil diversas vezes a cada ano e participa de uma rede com um grande número de igrejas e denominações brasileiras. Parte do que esse grupo faz é compartilhar práticas religiosas. Assim, as práticas brasileiras influenciam o modo pelo qual os americanos rezam pela cura de doenças e vice-versa. Um exemplo dessa troca é que os americanos adotaram parte da expectativa que os brasileiros têm com respeito ao sobrenatural, enquanto que os brasileiros adotaram maneiras mais democráticas de rezar pela cura. No passado, muitas igrejas brasileiras tinha um pastor ou um líder que fazia a maior parte das orações pela cura, mas cada vez mais acontece que todos os membros de uma congregação reza pedirem pela cura de algum problema de saúde.

Terra: A senhora já viu alguém ser curado pela reza no Brasil?

Brown: Essa é sempre uma pergunta difícil de ser respondida. Eu certamente encontrei pessoas que acreditavam ter sido curadas. Um caso interessante aconteceu em Imperatriz, no Maranhão. Uma mulher contou que, dois anos antes, ela pesava apenas cerca de 38 kg e cuspia sangue, pois era vítima de câncer do tórax. Os médicos a consideraram uma causa perdida, depois que fizeram tudo que podiam por ela e a mandaram para casa para morrer. Ela foi a uma sessão do Global Awakening como um último esforço. As pessoas rezaram por ela por algumas horas e, naquele mesmo momento, ela começou a se sentir melhor e forte o suficiente para levantar e cantar. Ela ainda está bem e trabalha como radialista. Também encontrei pessoas que tinham problemas de visão ou audição e que haviam sido curadas.

Terra: Esses casos de cura foram comprovados?

Brown: Na minha pesquisa eu não apenas confiei no que as pessoas diziam ter acontecido, mas também usei testes clínicos. Contei com uma equipe que realizou testes com audiometro e de visão em Moçambique e no Brasil, comprovando melhoras na audição e na visão das pessoas que acreditavam ter sido curadas. Essas pessoas tinham realmente melhorado por causa das orações, e a melhora delas era tão grande que fomos capazes de atingir um significado estatístico padrão, sugerindo que isso não era apenas uma coincidência e que o efeito era real.

Terra: A oração pela cura funciona em qualquer tipo de religião?

Brown: Estudamos especificamente a oração cristã. Mas há diversos estudos realizados nos EUA que sugerem que outros tipos de práticas religiosas não geram os mesmos efeitos. Não sei se já foram realizados estudos com umbanda e camdomblé ou outras práticas usadas no Brasil. Não acho que podemos pressupor que um tipo de prática religiosa é tão bom quanto outro.

Terra: Muitos dizem que, se rezar realmente funcionasse, todos os campeonatos brasileiros de futebol terminariam em empate. O que a senhora tem a dizer sobre esse argumento?

Brown: Argumentos semelhantes são feitos nos EUA, e já foram realizados estudos sobre rezas que as pessoas fazem à distância para alguém que nunca encontraram, que imagino se enquadrar no exemplo do futebol. Mas algo acontece em encontros pessoais que dá um elemento social à reza e parece fazer uma diferença em como as pessoas rezam, o que dizem, no que acreditam. Parece que são observados mais resultados em rezas com contato pessoal. Não precisa ser um grupo grande de pessoas. Muitos exemplos que tenho incluem situações bem privadas, sem música alta nem demonstrações de emoção.

Terra: Os grupos que promovem a cura pela reza não estariam explorando pessoas desprivilegiadas e sem instrução e, por isso, são tão populares em países pobres?

Brown: Muitas dos representantes desses grupos também são pobres. A explicação para o cristianismo estar crescendo nos países em desenvolvimento é que muitas pessoas estão rezando pela cura de condições de saúde e acreditam estar sendo curadas.

Terra: A senhora recomendaria que as pessoas procurassem a cura de seus problemas de saúde pela oração?

Brown: Todos nós queremos tornar a saúde pública o melhor possível e apoiar o que é bom para a saúde como um todo. O que estou buscando pode ser empircamente demonstado como maneiras eficazes de buscar a cura para problemas de saúde. Particularmente nos países onde os recursos médicos são limitados, faz sentido buscar métodos que não exijam esses tipos convencionais de tratamentos médicos.

Gospel

quarta-feira, 23 de maio de 2012

Assista Agora o Programa Seja Luz 2 2a. Parte

Primeiro-ministro de Israel se alegra por cumprimento profético


Na segunda-feira, Benjamin Netanyahu, o primeiro-ministro de Israel, declarou que o controle dos locais sagrados de Jerusalém não passará das mãos israelenses.

“Se colocarmos a área do Monte do Templo nas mãos de outros, duvido que poderemos evitar uma guerra religiosa”, afirmou. “Israel sem Jerusalém é como um corpo com um coração doente. Nunca mais nosso coração será dividido”.

Netanyahu também fez referência a cumprimentos proféticos: “Nossa geração tem o grande privilégio de ser testemunha da materialização das palavras dos profetas. Depende de nós assegurar essa transformação para as gerações vindouras”.

Já o presidente de Israel, Shimon Peres, disse que “Jerusalém foi e é a primeira cidade do povo judeu” e que “em tuda sua história, Jerusalém nunca foi tão grandiosa, aberta, versátil, vibrante e ansiosa pela paz como nos dias de hoje”.

Gospel

Irã


A Igreja e a Perseguição Religiosa

Os cristãos relatam violência física, ameaças e discriminação por causa de sua fé. Muitos cultos têm sido monitorados pela polícia secreta

A Igreja

Segundo o relato de Atos 2:9, havia cristãos medos/persas entre os primeiros cristãos, na ocasião do pentecostes. A presença de cristãos na Pérsia data, então, desse período e já no século IV d.C. havia ali uma igreja cristã persa bem organizada. Ali se desenvolveu um cristianismo sírio, cuja língua era o aramaico. Ainda no século IV, a Armênia e a Mesopotâmia foram devolvidas aos domínios persas. Com isso, os cristãos dessas cidades, após fugirem da perseguição Sassânida, viram-se novamente sob o jugo dos persas, razão pela qual hoje a Igreja iraniana é composta em sua maioria por armênios.

No século V, por não concordar com alguns dogmas do cristianismo ocidental (católico) e devido às constantes guerras entre os persas e os bizantinos, a igreja persa rompeu com o restante da igreja cristã. Além disso, os cristãos persas eram adeptos do Nestorianismo*, e os nestorianos foram expulsos e perseguidos pela Roma Cristã por sua concepção acerca de Jesus.

Após a chegada do Islamismo no país através dos árabes, no século VII d.C., a situação dos cristãos no Irã piorou bastante. Nos últimos cinco séculos, o Cristianismo no Irã tem sido uma religião tolerada: os primeiros missionários católicos chegaram ao país no século XVII e os primeiros protestantes, no XVIII.

Depois da Revolução Islâmica, em 1979, a situação da Igreja mudou drasticamente, resultando na queda do número de cristãos nas igrejas oficiais, principalmente por causa da emigração para outros países.

As igrejas oficiais (registradas no governo) têm, juntas, cerca de 150 mil membros. A maior parte deles é de origem armênia ortodoxa, mas há também alguns milhares de protestantes e católicos romanos. Quase todos vieram de famílias cristãs.

A Perseguição

A primeira perseguição aos cristãos na Pérsia talvez tenha acontecido no século IV d.C., quando os persas sassânidas, governantes na época, resolveram aumentar seus impostos e persegui-los, por considera-los um grupo subversivo e desleal ao governo estabelecido. Além disso, o fato de Constantino ter declarado o cristianismo a religião do Império Romano também contribuiu para a rejeição dos sassânidas aos cristãos, já que os romanos eram os grandes inimigos dos persas. Devido à perseguição, muitos cristãos persas emigraram para outras regiões controladas pelo Império Romano.

Embora os direitos de cristãos, judeus e zoroastras sejam assegurados pela Constituição, na prática, todos são vítimas de retaliação e perseguição. As restrições e a perseguição ao cristianismo têm se multiplicado rapidamente nos últimos anos. O governo do Irã está consciente do desdobramento da Igreja nas últimas décadas. Ele tem procurado impedir e tornar impossível o crescimento dos cristãos.

É permitido que igrejas ligadas à minorias étnicas ensinem a Bíblia ao seu próprio povo e em sua língua. No entanto, essas igrejas são proibidas de pregar em persa, a língua oficial do país. Muitas igrejas recebem visitantes durante seus cultos, porém alguns deles são da polícia secreta e monitoram as reuniões.

Cristãos ativos sofrem pressão: são interrogados, detidos e, às vezes, presos e agredidos. Casos mais críticos envolvem até a execução. Os muçulmanos que se convertem ao cristianismo são rotineiramente interrogados e espancados. Além disso, acredita-se que muitos homicídios não esclarecidos são praticados por radicais que frequentemente ameaçam os cristãos de morte.

Além da violência exercida pelas autoridades, os ex-muçulmanos são também oprimidos pela sociedade. Eles têm dificuldade em encontrar e manter um emprego, pois são demitidos quando se descobre que são convertidos. Aqueles que começam um negócio próprio têm problemas em fazer clientela. Para esses cristãos, é difícil ganhar dinheiro.

Em 2008, aconteceu um grande número de ataques a igrejas domésticas e muitos cristãos foram presos, fazendo desse um dos anos mais difíceis para a Igreja desde a Revolução Islâmica em 1979. No natal de 2011 dezenas de cristãos foram presos pela policia iraniana. O crescimento das igrejas domésticas tem deixado as autoridades políticas e religiosas com receio, o que leva a uma repressão maior.

História e Política

Irã é o nome atual da antiga Pérsia, que foi cenário de muitas histórias bíblicas. Entre elas encontram-se a história de Daniel na cova dos leões, a luta de Ester e Mordecai para salvar o povo judeu, e o serviço de Neemias ao rei.

O país está estrategicamente localizado no Oriente Médio. Seu território é formado por platôs desérticos cercados de montanhas, banhado pelo Mar Cáspio e pelo Oceano Índico. Seu nome atual (Irã) deriva da palavra “airyana”, em referência às populações arianas que habitavam a Pérsia. Seu antigo nome (Pérsia) fazia referência a Perses, filho de Perseu, personagem da mitologia grega e antepassado dos antigos reis persas.

A história do Irã iniciou-se em tempos bastante remotos, quando povos indo-europeus se estabeleceram na região, por volta de 2000 a.C. No planalto iraniano formaram-se dois grandes povos divididos em dois grandes reinos: os Medos e os Persas. O reino dos persas era comandado pela família Arquemênida, que deu nome à dinastia que reinou na Pérsia até ser conquistada pelos Macedônios. No século VI a.C., Ciro, o Grande, unificou os exércitos dos medos e dos persas para formar o Império Persa, um dos maiores impérios que o mundo conheceu. O rei Dario continuou a expansão do império e alcançou a cordilheira do Hindu Kush, na atual fronteira entre o Afeganistão e o Paquistão.

Mais tarde, Alexandre, o Grande, sobrepujou o Império Persa e o anexou a seu próprio império. O Império Alexandrino foi sucedido pelo Império Sassânida, que restaurou a cultura persa e governou até 640, quando foi derrotado pelos árabes.

Durante as dissidências e divisões ocorridas nos anos posteriores a Maomé, o Irã tornou-se intimamente associado ao islamismo xiita.

Em 1200, uma esmagadora invasão dos exércitos mongóis devastou o país. O Irã mal havia se recuperado deste golpe quando os exércitos de Tamerlão (o último grande conquistador da Ásia Central) avançaram sobre o território persa, conquistando cidades como Shiraz e Esfahan, ainda que mais lentamente do que a primeira invasão mongol.

A dinastia Safávida chegou ao poder em 1501, após a desintegração do Império de Tamerlão, governando até 1722, quando foi derrubada por uma efêmera invasão afegã. Em 1796, a dinastia Kajar chegou ao poder e governou até o início do século XX.

Na história mais recente, o xá Reza Pahlevi assumiu o poder em 1962 e iniciou uma série de reformas, visando à modernização do país. Suas mudanças levaram as alas conservadoras a tomar o poder. O aiatolá Khomeini assumiu o governo em 1979, derrubando, através da "revolução islâmica", a monarquia e obrigando o xá ao exílio. Foi estabelecido um sistema teocrático de governo. Após a morte de Khomeini, em 1989, o novo governo procurou manter-se teocrático, ao mesmo tempo em que procurava uma postura mais moderada. Esse sistema deu o poder religioso à autoridade, que passou a ser conhecida como "líder supremo'". De 1980 a 1988 o país entrou em guerra com o vizinho Iraque, causada por uma disputa territorial que teve início na década de 1970.

O Irã é uma República Teocrática: tem um presidente, mas quem dita as regras é a elite religiosa dos aiatolás. O país desempenha papel fundamental na estabilidade politica e militar da região do Golfo Pérsico.

População

Os persas, principal etnia do Irã, compõem apenas metade da população do país. O restante da população se divide entre os grupos: árabe, azeri, baluche, curdo, gilaki, lur, mazandarani e turcomano. São faladas 77 línguas no país.

A religião oficial do país é o islamismo, sendo os xiitas a maioria. Existem pequenas minorias de zoroastras, bahaístas, judeus e cristãos. Em fevereiro de 2011, milhares de pessoas tomaram as ruas da capital, Teerã, para protestar contra o presidente Mahmoud Ahmadinejad. Essa revolta foi impulsionada pelas manifestações que aconteceram em outros países do mundo muçulmano.

Economia

A economia iraniana é baseada na exportação de petróleo e gás natural. Além desse combustível e seus derivados, o país é conhecido pela tapeçaria, que também é exportada. O Irã se desenvolveu de forma significativa, mas grande parte do progresso foi perdida nas décadas seguintes à revolução de 1979, e o crescimento da economia tem sido moderado.

Em anos recentes, o Irã adotou uma postura mais moderada e menos oposicionista ao Ocidente.

*O Nestorianismo é uma doutrina de estudos cristológicos que analisa, sobretudo, a natureza divina de Cristo, fazendo separação entre o Cristo homem e o Cristo Deus, sem, contudo, negar ambas. O criador dessa doutrina foi o monge Nestório de Alexandria (380-451 d.C.), que se tornara Patriarca de Constantinopla em 428 d.C. Nestório foi considerado herege pelo Concílio de Éfeso (431 d.C) por afirmar que Maria não era a mãe de Deus, mas apenas de Jesus.

terça-feira, 22 de maio de 2012

Conheça o testemunho de Cristina, uma criança mexicana

Missão Portas Abertas



Tudo mudou para Cristina num domingo de manhã em Junho de 2011. A família Perez não tinha ideia do que aconteceria naquele dia, mas, ele quebraria a rotina da semana e marcaria suas vidas para sempre.

O pai, como de costume, apressava a esposa e o adolescente Emílio: ”Rápido! Não devemos chegar atrasados na igreja.” A casa de Cristina fica localizada na comunidade de Huixtan, no estado de Chiapas, extremo sul do México. Como é comum nas áreas rurais, as casas ficam distantes umas das outras. A pequena cabana de madeira é rodeada de árvores e o orvalho fresco alcançava a menina de quatro anos quando a tranquilidade  deu lugar à agitação naquele lar.

Como presbítero de sua igreja, o pai de Cristina, conhecido como Irmão Sebatião, era um exemplo para todos na comunidade. Sua esposa, Maria, finalmente surgiu no portão com os dois filhos menores, pronta para sair. Eles iniciaram o trajeto pelo caminho íngreme de todos os domingos.

De repente, uma saraivada de tiros estremeceu todo meio ambiente. Quantas balas foram disparadas contra aquela humilde família? Trinta, sessenta, ou mais... Ela tinha caído numa emboscada de matadores tocaiados há apenas 200 metros de sua casa.

A pequena Cristina ficou petrificada com os disparos que surgiram como raios e cujas imagens despedaçaram seu coração, invadindo sem pedir licença todo o seu ser. “Não pode ser real o que está acontecendo”, ela chegou a pensar,  sem entender nada daquela violência súbita.

Ela sentiu seu braço arder e viu o sangue jorrando. A dor foi ficando intensa, mas Cristina manteve a consciência. “Quanto tempo havia se passado?” ela cogitou alguns minutos mais tarde. “Por que me sinto tão pesada? Emílio, levanta! Você é pesado demais!” Seu irmão de 13 anos estava inerte sobre ela, amassando o seu corpinho de menina.

“Papai, onde você está? Mamãe, me diga que isso não é verdade. Por favor, por favor!”

Cristina só foi encontrada duas horas depois do atentado, machucada, no meio de sua família morta. Devido à gravidade de seu ferimento, cada minuto era importante. Qualquer demora a mais, e Cristina correria perigo de ter que amputar o braço.

A sobrevivente solitária

Quando as autoridades chegaram ao local do crime, perguntaram a Cristina: “Você viu alguma coisa? O que aconteceu?” A menina começou a chorar, seu coração batendo forte. “Foram dois homens mascarados, e eles começaram a atirar”, ela soluçou.

Não está claro se a menina realmente viu toda a cena. Sua mãe e seu irmão Emílio foram abatidos com mais de 10 tiros cada um. Seu pai, além de levar mais de 10 tiros, ainda foi decapitado. Os assassinos não identificados carregaram a cabeça de Sebastião, que ainda não foi encontrada.

Entre os membros da igreja há preocupações quanto à segurança de Cristina e de seus irmãos mais velhos, e eles oram para que a família seja reconfortada e emocionalmente curada desses acontecimentos traumáticos.

Embora a reabilitação física do braço de Cristina seja boa, ela ainda não consegue movimentar o braço com desenvoltura.

Por causa da intervenção de Portas Abertas, as autoridades locais começaram a investigar este crime até agora sem solução. O ministério também está dando apoio moral e espiritual à Cristina e aos seus irmãos que ficaram em casa naquela manhã fatídica.

Envolva sua igreja no Domingo da Igreja Perseguida .

segunda-feira, 21 de maio de 2012


Add caption

Queridos irmãos das Igrejas Batista do Brasil. Por amor a Jesus e em obediência ao IDE do Mestre. 

Eu lhe convido a juntar-se a nós na MEGATRANS AQUI NO RIO GRANDE DO NORTE. Somos sete (07) BASES. 

  • AGRESTE; 
  • NATAL SUL; 
  • NATAL NORTE;
  • SERIDÓ;
  • ASSÚ;
  • OESTE (2). 


Precisamos de 1000 VOLUNTÁRIOS. 

Passe a Macedônia e ajude-nos.

Pr. Eude Cabral
Sec. Exc. da Conv. Batista Norte-rio-grandense.

Judeus celebram hoje a reunificação de Jerusalém

Por Jônatha Bittencourt em 20 de maio de 2012 


O mundo judeu está a celebrar Iom Ierushalaim, o Dia de Jerusalém, o 45º aniversário da reunificação da Cidade Santa durante a Guerra dos Seis Dias. Jerusalém faz parte do centro da vida nacional e espiritual do povo judeu desde que Davi tornou-a capital do seu reino no ano 1003 a.C.

Quando o Estado de Israel foi estabelecido, em 1948, Jerusalém voltou a ser a capital do Estado judeu, apesar de estar divida e ter a parte oriental – incluindo a Cidade Velha – anexada pela Jordânia. Os árabes, então, proibiram o acesso dos judeus às áreas do Monte do Templo e do Muro das Lamentações.

Durante a Guerra dos Seis Dias, no entanto, o Monte do Templo e o Muro das Lamentações retornaram à soberania judaica pela primeira vez desde o ano 70 a.C., quando os romanos invadiram e destruíram Jerusalém.

Em junho de 1980, a Knesset (Parlamento de Israel) aprovou a “Lei Básica: Jerusalém”, que determinou que os lugares sagrados de todas as religiões fossem protegidos para evitar profanações, garantindo seu livre acesso e o investimento governamental no desenvolvimento da capital, assim como no bem-estar e na prosperidade dos seus moradores.

Assista abaixo a um documentário sobre Jerusalém:


Bairro cristão é atacado na Indonésia

Pessoas não identificadas atearam fogo em casas e carros. Dezenas de famílias fugiram de suas casas com medo de novos ataques. Os confrontos tiveram início no dia 14 de maio, durante as celebrações do herói nacional Thomas Matulessy. A possibilidade dos ataques serem de autoria de muçulmanos foi descartada pela Polícia.

Pelo terceiro dia consecutivo, aconteceram ataques em Ambon (Ilhas Molucas), onde ontem à noite um grupo de pessoas não identificadas ateou fogo em casas e motos num bairro predominantemente cristão. Testemunhas afirmam que dezenas de famílias fugiram de suas casas por medo de novos ataques. Muitos temem o envolvimento de grupos extremistas islâmicos.

A violência começou na segunda-feira (14) durante o Pattimura Day, evento que celebra na Indonésia, o herói nacional Thomas Matulessy (1783-1817) que nasceu em Ambon.

Durante a noite um grupo de homens atacou cristãos que participavam de uma vigília na vila Saparua. Nos confrontos 44 pessoas ficaram feridas. Na terça-feira (15), o general Saud Usman Nasution disse que a violência foi deliberadamente provocada por pessoas próximas aos movimentos radicais, mas descartou o envolvimento de terroristas islâmicos.

Entre 1999 e 2001 uma sangrenta guerra entre cristãos e muçulmanos foi travada nas ilhas Molucas. Milhares de pessoas foram vitimadas, centenas de igrejas e mesquitas destruídas, milhares de casas derrubadas e o conflito gerou quase meio milhão de refugiados.

Em fevereiro de 2002 uma trégua entre as duas frentes das áreas cristãs e muçulmanas - assinado em Malino, Sulawesi sul, interrompeu a violência através de um plano de paz promovido pelo governo.

Envolva sua igreja no Domingo da Igreja Perseguida, veja o vídeo abaixo e saiba como participar.

Missão Portas Abertas

sábado, 19 de maio de 2012

Avanço missionário no Rio Grande do Norte

Notícias missionárias dos batistas do Rio Grande do Norte

Pr. Eude Cabral Figueiredo - Sec. Exec. da Conv. Batista do RN

Queridos irmãos e amigos da MEGATRANS AGRESTE DO RN, não esqueçam que neste dia 18 de maio, sexta, estará sendo organizando mais uma igreja. Será a Igreja Batista em Santo Antônio, no agreste do RN, o orador da noite vai ser o Pr. Fernando Brandão. Será as 19 h, faça sua caravana e vamos nos encontrar lá.
Fonte: Facebook

Cidade de Santo Antônio, RN
Fonte: JMN / Redação CPAD News /cpadnews.


A primeira frente iniciada pelo casal, os missionários, pastor Marcolino e Elizabeth Pontes em Santo Antônio (RN) já tem seu templo construído e 42 vidas batizadas; a segunda frente missionária em Passa e Fica, iniciada há um ano e meio, está sob a liderança de um casal de obreiros locais e agora plantaram a terceira frente missionária.

Desta vez na cidade de Lagoa D'anta com seis mil habitantes, sob a liderança de obreiros locais. Em ambos os casos os obreiros são "nossos filhos na fé, que hoje estão plantando igrejas no agreste do RN", compartilhou pastor Marcolino.

"Lembro-me que, da primeira vez que entrei nessa cidade, senti vontade de chorar, por ver tanta gente boa e sofredora, sem conhecer o plano perfeito que Deus tem reservado para suas vidas", declarou o missionário já planejando alcançar também o distrito de Lagoa do Chico com cerca de mil habitantes.

Além disso, até o final do ano, esperam iniciar a quarta frente missionária, esta em Serrinha. "Já temos um casal de obreiros preparados para liderar o trabalho, mas precisamos de pessoas que tenham paixão pelas almas perdidas que orem por este desafio e que contribuam financeiramente para a expansão do evangelho no Rio Grande do Norte", conclamou pastor Marcolino.


video

Pr. Eude - Secretário Executivo da Convenção Batista do RN.
Fonte: Facebook

Extremistas muçulmanos matam cristãos em dois estados do país

Extremistas muçulmanos estão empenhados em extinguir o cristianismo do meio da Nigéria. No dia 22 de setembro, os extremistas assassinaram cinco cristãos no Estado de Níger e outros três na semana anterior no estado de Kaduna, incluindo uma menina de 13 anos de idade.

Supostos militantes do grupo islâmico Boko Haram, na cidade de Mandala, no estado de Níger, atacaram as propriedades comerciais de cristãos por volta das 8 horas da manhã. Os extremistas ordenaram que eles recitassem versos do Alcorão, mas os cristãos não sabiam nenhum verso do livro islâmico e então foram assassinados.

O som dos disparos contra os cristãos fez com que os moradores da região chamassem a polícia, que chegou ao local e viu que cinco cristãos haviam sido mortos. Richard Oguche Adamu, um porta-voz da polícia do Estado de Níger confirmou os cinco assassinatos.

Richard disse ao Compass que o ataque estava diretamente ligado aos membros do grupo extremista islâmico Boko Haram que recentemente bombardearam locais de propriedade cristã.

Os mortos no ataque feitos foram: Emmanuel, John Kalu, Uche Nguweze e Oliver Ezermath. A identidade do quinto cristão não foi imediatamente reconhecida, pois seu rosto estava muito desfigurado e não possuía documentos para identificação.

O grupo Boko Haram declarou jihad contra o governo da Nigéria em uma tentativa de impor a lei da sharia no norte do país. Outra preocupação é que, possivelmente, esse grupo tenha formalizado fortes ligações com a Al-Qaeda no ano passado. A lei da Sharia já está em vigor em 12 estados no norte do país.

Estima-se que a população da Nigéria seja de aproximadamente 160 milhões de pessoas, que é divido em 51,3% de cristãos, que vivem principalmente no Sul, e os muçulmanos representam 45% da população.

Ore pela Nigéria:

Para que os cristãos que estão sofrendo ataques e perseguições possam encontrar coragem no Senhor e que não desistam de sua fé em Jesus.
Ore para que possa confortar as famílias que perderam entes queridos assassinados pelo Boko Haram. Que Deus possa confortar o coração deles com o Seu amor.
Ore para que o governo tome providências e para que esses ataques terroristas contra cristãos cesse dentro da Nigéria.

FonteCompass Direct
TraduçãoLucas Gregório

Igreja Perseguida Missão Portas Abertas

A religiosidade sem Deus


Por Eliseu Antonio Gomes
Do blog Belverede


É muito triste encontrar pessoas dedicadas à religião, porém, desconhecedoras de Deus, embora acreditem que o conheçam.

O apóstolo Paulo chamou a atenção de todos nós, ao lembrar que o exercício religioso é um potente alimento da carne. Ou seja, nem sempre praticar religião é sinônimo de caminhar no Espírito (Colossenses 2.20-22; Gálatas 5.16-23).

Considero importante a reunião regular em uma igreja, mas jamais o estatuto de uma instituição humana poderá estar em mais alto conceito do que os mandamentos do Senhor. A partir do momento que uma pessoa troca esses valores, ela passa de espiritual para alguém meramente religiosa.

Sou favorável à erudição, porém é preciso lidar com ela com equilíbrio. Há quem valorize mais os diplomas de academia teológica do que as Boas Novas do Senhor. Usam nomenclaturas extrabíblicas - arminianismo, calvinismo, etc - para reprovar a fé alheia.

Religiosos não se dedicam ao crescimento do reino de Deus, mas ao crescimento de uma denominação ou movimento, à expansão de uma ideia ou filosofia. Assim como torcedores de times de futebol empunham bandeiras e usam uniformes, os religiosos torcem por uma placa denominacional e defendem teorias e regras criadas por homens. Ou seja, mesmo portanto uma Bíblia não têm o conteúdo bíblico como regra de fé e conduta. Para eles está em primeiro lugar o credo da instituição a que pertencem e não o Evangelho de Cristo que nos ordena amar, mesmo que citem o nome de Jesus e trechos do Antigo e Novo Testamento em seus argumentos.

Os religiosos colocam o ponto de vista humano acima do mandamento do amor a Deus e ao próximo. São portadores de orgulho denominacional. São propensos a agredir, de maneira verbal e às vezes até física, em defesa de seu grupo e interesses. Consideram que esse tipo de falta de amor é prestação de serviço ao Senhor.

Faz um bom tempo que eu decidi parar de conversar sobre as Escrituras Sagradas com religiosos fanáticos, porque percebi que eles consideram todos os discordantes como inimigos.

A minha decisão em parar de conversar com religiosos fanáticos foi porque eles, apaixonados pela causa terrena, perdem a compostura objetivando fazer prevalecer à opinião da religião que estão agregados. Como praticar inimizade os expõe como carnais, douram a pílula usando eufemismo, dizem opinar negativamente em nome da apologia cristã. Dizendo fazer uso da apologética sentem-se livres para classificar desafetos e "concorrentes" como lobos em pele de cordeiro, mercenários e hipócricas.

Leitor (a), todo cuidado é pouco. Não é porque alguém recebe adjetivos de outra, que se apresenta com título de apologista cristão, que de fato o alvo da crítica seja o que é dito que ela é. Não se apresse em deduções e nem se deixe guiar por julgamentos de irmão contra irmão. Existe uma indústria se alimentando com essa pseudo-apologética cristã. São produzidos livros, DVDs, palestras. Há quem esteja ganhando muito dinheiro com a realização de maledicência, julgamentos injustos.

“Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se vos amardes uns aos outros” – João 13.35.

“O amor não faz mal ao próximo. De sorte que o cumprimento da lei é o amor” – Romanos 13.10.

“Aquele que não ama não conhece a Deus; porque Deus é amor” – 1 João 4.8.

E.A.G.

sexta-feira, 18 de maio de 2012

Judeu polonês sobreviveu a sete campos de concentração

"É cobra. Pode jogar no bicho que dá cobra", diz, com um sorriso largo, o taxista aposentado Alexander Liberman sobre o número marcado em seu antebraço esquerdo: A18.534. O bom humor certamente o ajudou a chegar aos 80 anos e não dá pistas do que a vida lhe reservou até aqui. Aos 9 anos, levou um tiro e passou por sete campos de concentração na Polônia, Alemanha, Áustria e Bósnia. Perdeu pai, mãe e três irmãos, mortos pelos nazistas. Com o fim da II Guerra Mundial, foi levado para a Rússia e conheceu Josef Stalin. Soldados soviéticos ficaram tão impressionados com seu precário estado de saúde que decidiram mostrá-lo ao ditador. Em 1947, embarcou no navio “Exodus” para Israel, que levava ilegalmente refugiados judeus, mas acabou preso na ilha de Chipre após confrontar tropas inglesas que interceptaram o navio. Mais tarde, já sargento do Exército israelense, foi atingido por estilhaços de duas granadas durante a Guerra de Independência do país. Uma delas o deixou surdo de um ouvido. Tudo isso até os 21 anos.

Aos 25 anos, ele veio para o Brasil, onde foi motorista de táxi até cerca de dois anos atrás nas ruas do Rio de Janeiro. E só recentemente ganhou coragem para contar sua história: "Antes eu me revoltava... Agora conto porque já estou no final... É lógico que me emociono lembrando, já tive muito pesadelo com isso. Mas não tenho mais. O que tinha que passar, passei. Perdi tanta coisa na minha vida... Mas agora estou tranquilo".

Como era sua vida antes da guerra?

Tive uma infância tranquila até os 9 anos. Meu pai era comerciante de material de sapateiro, com meu tio. Nasci na Polônia, em 1930. Eu tinha três irmãos: um de 7 anos, uma de 3 e uma bebê de 6 meses.

O que houve com sua família após a invasão da Polônia, em 1939?

Os alemães logo caíram em cima dos judeus. Primeiro, foram à loja e levaram meu pai e meu tio para Treblinka. Soubemos que os dois foram mortos na guilhotina lá. A gente se escondeu no forro de casa por dois meses, vivendo do que havia na cozinha. Fomos descobertos, nos levaram para um polígono da cidade e botaram a gente na fila para morrer. Vi pessoas sendo fuziladas. Aí pegaram minha irmãzinha de 6 meses, jogaram para o alto e atiraram, como se fosse uma brincadeirinha. Gritei na hora para minha mãe: "Vou fugir. Não vou dar minha cabeça!" Fugi, me desviando das balas, mas uma pegou aqui (mostra uma cicatriz no abdômen). Consegui sumir na floresta que havia ali perto.

Alguém da sua família sobreviveu?

Não sei quando morreram. Não achei nada. Mas morreram, ou eu teria achado. Procurei, mas nunca tive notícia. Descobri um tio em Israel. Depois, achei uma tia na Argentina e um tio no Uruguai.

E o tiro no abdômen?

Essa bala não caiu num lugar para me matar, né? Encontrei seis ou sete pessoas escondidas na floresta. Tinha que entrar naquele grupo que estava lutando com os alemães. Eu era o mais novo, mas era bem desenvolvido e acharam que eu podia ajudar em alguma coisa. Arrumamos gaze e iodo para o ferimento. E não inflamou.

Como era a vida na floresta?

Vivíamos em cima das árvores para não sermos vistos. Os outros tinham fuzis. Me arranjaram um revólver pequeno e me ensinaram a atirar. Fiquei uns dois meses com esse grupo. Éramos partisans. Íamos às casas próximas pegar comida, mas não tinha muito. Uma vez me mandaram à cidade comprar comida, achando que, porque eu era criança, não desconfiariam de mim. Quando eu estava saindo da loja, dois soldados me viram e perguntaram: "Você é judeu?" Eu disse que não, mas me levaram para um quarto e abaixaram minha calça. Fui levado para um campo de trabalho em Budzyn, onde plantávamos batatas. Fui escolhido várias vezes para morrer, mas me escondia nos barracões lotados. No dia seguinte, saía para trabalhar normalmente. Alguns meninos conseguiram se esconder, outros foram achados e morreram. Passei por sete campos de concentração. Em alguns, fiquei só um período de quarentena antes de ser mandado para o que deveria ficar mesmo. Com a guerra já braba, os russos se aproximaram e os alemães levaram a gente para o campo de Majdanek, com sete câmaras de gás. Os nazistas me escolheram para arrancar os dentes de ouro dos judeus mortos usando alicates. Tinha gente que sobrevivia e pedia: "Arranca os dentes, mas não conta que estou vivo!" Tirei dentes de ouro de pessoas vivas. Não doía, não gritavam. Depois, fomos levados embora, a pé.

Quando?

Eu não sabia mais do tempo. Sabia que estava no galinheiro com as outras galinhas e que precisava arranjar um jeito de sobreviver. A guerra é uma confusão danada.

Como o senhor lidava com tudo isso?

Só pensava em viver. Vi um tio morrer e não chorei. Encontrei o irmão do meu pai num dos campos - morreu de tifo. Não dava tempo de chorar. Chorei uma só vez, quando fui pego, aos 9 anos. Achava que ia morrer, mas nunca pensei em entregar os pontos.

Mas o senhor não sentia revolta?

Claro! Quando pedi ajuda a Deus, não fui atendido. Eu disse então: "Sou ateu!" E eu me revoltava comigo mesmo por ter nascido judeu. Se eu não fosse judeu, não estaria passando por tudo aquilo. Era o que eu pensava. Perdi tanta coisa na vida... e era uma criança. Eu não entendia.

E depois de Majdanek?

Fui levado para Birkenau, em Auschwitz. Foi lá que me marcaram, botaram o número no meu braço: A18.534. Pode jogar no bicho que dá cobra! Foi um dos campos em que estive de passagem. Lá me ensinaram a ser ferramenteiro. Para não morrer, tinha vontade de aprender tudo. Me levaram para trabalhar numa fábrica de aviões e canhões. Fui para um lugar chamado Laurahütte (um subcampo do complexo Auschwitz-Birkenau). O engenheiro de lá gostava do meu serviço, tinha pena de mim e me dava, escondido, uns sanduíches. Mas os americanos se aproximaram e tive de me mudar de novo. Fomos para vagões de trem superlotados. Levaram a gente para Mauthausen-Gusen (Áustria) e depois para Dachau (Alemanha). Ficamos também pouco tempo. De lá, fomos para o campo de Gradiska (Bósnia). Quando cheguei, em 1945, eu já estava tão magro que parecia um esqueleto vivo. Estava com 14 anos e com tifo, mas eu ainda não sabia.

Como foi sua libertação?

Os russos chegaram e libertaram o campo (em 23 de abril de 1945). Eles me viram daquele jeito, ficaram impressionados por eu estar vivo e disseram: "Temos de mostrar esse aqui para alguém!" Então me limparam e me botaram num avião para Moscou. Me levaram ao Kremlin. Encontrei Stalin e ele me perguntou se eu sabia falar russo. Eu falava um pouquinho. Stalin me disse que eu seria bem tratado e mandou me botarem num internato em Moscou. Eu estava muito fraco e tinha um grupo de garotos vagabundos. Eu estava com uma roupa boa, que os russos me deram. Quando dormi, veio um mais forte e levou minha roupa. O que eu ia fazer? Roubei a roupa de um menino ainda mais fraco e fui embora. Achei a Cruz Vermelha e pedi para ir para a Polônia.

O senhor conseguiu?

Voltei, mas estava muito fraco. Estava bem doente, com febre e manchas no corpo: era tifo. Fiquei meses no hospital. Quando saí da cama, não conseguia andar. Chegou um avião dos Estados Unidos para levar uma turma para lá, mas eu não quis ir.

Por que não?

Tinha medo de que me matassem. Queria ir para Israel, mas acabei indo para a Alemanha. Me levaram para um internato para sobreviventes de guerra em Landsberg am Lech, onde fiquei dois anos. Já tinha um grupo de Israel lá, o Haganah Palmach (uma milícia). Aprendi hebraico - antes, falava polonês, alemão, ídish e um pouco de russo. Fizemos treinamento de táticas de guerra. Em 1947, eu estava com 16 anos, chegou o “Exodus” (navio que levava refugiados para Israel). Eu queria ficar com os que sofreram como eu. Não queria me afastar dos judeus. Sabíamos que iríamos lutar lá e já tínhamos aprendido a lutar na Alemanha. Já tivemos que lutar no navio, com os ingleses (em 1947, a Inglaterra proibiu a imigração clandestina para Israel. O Exodus, com 4515 sobreviventes do Holocausto, foi o primeiro navio a receber a ordem marítima policial, em 18 de julho. Houve combate a bordo e três pessoas morreram). Fui mandado para uma prisão no Chipre, onde fiquei uns dois meses. Primeiro tentei fugir dentro de um caminhão de lixo, mas me pegaram. Com 17 anos, fui solto e consegui ir para Israel. Fui direto para um kibutz trabalhar na terra e aprender coisas do Exército. No Exército, fui treinador de recrutas e paraquedista. Lutamos contra os árabes, participei da Batalha do Egito. Isso foi em 1948, por aí. A gente libertou Israel. Fiquei nas Forças Armadas até 1951.

Como foi sua participação na guerra?

Saltei de paraquedas em lugares perigosos. Uma vez, nosso helicóptero desceu no deserto de Negev. Teve tiroteio e fui atingido, atrás da orelha esquerda, por estilhaços de uma granada. Fiquei três meses no hospital e sou surdo desse ouvido. Também tenho uma cicatriz na perna direita por causa de outra granada. Em Israel, me casei. Tenho duas filhas lá, seis netos e sete bisnetos. Trabalhei em construção, em muita coisa.

Por que o senhor veio para o Brasil?

Eu achava que tinha direito a alguma coisa lá (uma indenização), mas eu não tinha pistolão. Pensei: "Depois de tudo o que eu fiz, ainda preciso de pistolão?" Aí me aborreci, quis ir embora, em 1958. Vim com uns amigos. Depois, minha mulher veio com minhas filhas, uma com 3 anos e a outra com uns 9 meses. Moramos em Ramos (no Rio de Janeiro), mas ela não aguentou a umidade. Tinha bronquite, quis voltar para Israel. Mas eu não podia, né? Trabalhava como vendedor.

O que o senhor fez aqui?

Eu não falava português. Vendia roupas de porta em porta lendo um texto. Me naturalizei brasileiro em 1963. Tive uma loja de modas em Ipanema, depois um salão de cabeleireiro e uma butique na Gávea. Nessa época, arranjei uma úlcera. O doutor Gazzola, um médico que alugava um quarto na minha casa quando era estudante, me operou. Nessa operação, ele tirou aquela bala do abdômen! Depois, a butique não andava bem. Comecei a trabalhar como motorista de táxi nos anos 1960 e foi assim até dois anos atrás. Uma vez, fui sequestrado. Me deram uma injeção de gasolina, me roubaram, mas não levaram o táxi. Isso foi há uns 30 anos. Outra vez, escapei de um assalto no Flamengo me jogando debaixo do carro. Hoje, tem uma pessoa que dirige meu táxi. Recebo uma indenização dos alemães, uma mixaria, e outra mixaria de aposentadoria. Mas me casei de novo aqui (com a católica Lenice, 60 anos), tive dois filhos: o Anderson (engenheiro, 30) e a Alexandra (designer, 25).

O senhor tem algum contato com suas filhas em Israel?

Eu não tinha nenhum contato. Ela (aponta para Alexandra) é que achou minhas filhas e foi à casa delas lá. Quando elas saíram daqui, tentei me comunicar, mas não consegui. Fui ao consulado, pedia ajuda a quem ia para Israel e nada. Falei com minhas filhas (Hedva, 55 anos, e Yocheved, 53) por telefone. Fico feliz de saber que estão bem. Um dos meus netos já veio me visitar (Alexandra explica que, na verdade, foram elas que os encontraram com a ajuda do Museu do Holocausto de Washington).

Por que o senhor demorou tanto para contar sua história?

No táxi, jornalistas viam esse número no meu braço e queriam que eu contasse a minha vida. Mas o meu advogado, na época, achava melhor não para não atrapalhar as coisas com a indenização dos alemães. E antes eu não conseguia nem contar porque me revoltava. Agora conto porque já estou no final... Lógico que me emociono lembrando, já tive muito pesadelo com isso. Mas não tenho mais. O que tinha que passar, passei. Perdi tanta coisa na minha vida... Agora estou tranquilo.

Publicado em "Aventuras na História"
Jornal Alef


Tem sido uma prática no Colégio Bereiano de, uma vez por mês, cultuarmos ao Senhor Jesus, agradecendo pelas bênçãos recebidas. Nesta segunda, 14/05, os alunos do 9º ano estiveram à frente na organização do louvor e do culto, que teve como preletor o Pr. Francisco Carlos, pai de dois alunos do colégio.

Advogado de Yousef Nadarkhan está sendo forçado a confessar na TV crimes que não cometeu

Por Dan Martins em 18 de maio de 2012 


O fundador do Centro de Defensores dos Direitos Humanos (DHRC) do Irã e advogado do pastor iraniano Yousef Nadarkhani, Mohammad Ali Dadkhah, está sendo pressionado por autoridades iranianas a confessar crimes que nunca cometeu.

Segundo o The Christian Post, Dadkhah recebeu uma sentença de nove anos de prisão quando estava defendendo um cliente em um tribunal em Teerã, e foi acusado de atos que violam a segurança nacional e de espalhar propaganda contra o regime. Segundo informações do DHRC, o advogado está sendo pressionado a confessar tais crimes, sob ameaça de ir para a prisão se não o fizer.

De acordo com a Campanha Internacional por Direitos Humanos no Irã, Dadkhah tem sido extensivamente interrogado e pressionado a confessar publicamente tais crimes ou, caso contrário, irá para a prisão. “Amanhã é meu último dia para fazer as confissões pela TV ou irei para a prisão. Eu irei para a prisão, e eu não [serei forçado à] deixar minha terra natal…”, afirmou à Campanha.

O advogado afirmou ainda que não irá fazer confissões falsas, e contou: “Sob intensa pressão, eles pediram para que eu dissesse diante das câmeras de televisão que o Centro de Defensores dos Direitos Humanos (DHRC) recebeu fundos de estrangeiros, significando que nós fomos operadores para estrangeiros, o que não é verdade”.

O caso está sendo acompanhado pelo Centro Americano para Lei e Justiça (ACLJ), que teme que a prisão do advogado complique ainda mais o caso de Nadarkhani, que foi condenado à prisão por acusações de apostasia e de tentar evangelizar muçulmanos.

Em seu site, o ACLJ afirmou: “Vamos continuar a monitorar sua situação e urgir ao Irã que tanto liberte o pastor Yousef quanto permite que Dadkhah continue a defender os direitos humanos daqueles que são perseguidos no Irã”.

Fonte: Gospel+

Vestígios arqueológicos cristãos em perigo no Iraque


Fonte: Terra

NAJAF, Iraque, 14 Mai 2012 (AFP) -Descobertos, mas abandonados pelas autoridades de um país mais preocupado com a reconstrução do que com a arqueologia, antigos sítios do centro do Iraque onde havia vestígios cristãos estão em risco de desaparecimento, explicaram especialistas locais.

Três destes enclaves, perto da cidade santa xiita de Najaf, 150 km ao sul de Bagdá, fizeram parte no passado da cidade de Hira, capital da tribo pré-islâmica dos lamides, árabes beduínos cristãos. Hira foi sua capital nos séculos V e VI. O que resta são apenas ruínas.

"É uma área de importância histórica, pois é rica em antiguidades, particularmente ruínas de igrejas, mosteiros e palácios", destacou Shakir Abdulzahra Jabari, que chefiou escavações em 2007, 2009 e 2010.
"Atualmente, há um ano as antiguidades estão descuidadas e não recebem atenção alguma, apesar de muitos países ocidentais estarem interessados na história de Hira, enquanto principal porta de entrada do cristianismo no Iraque", destacou.

Hira era conhecida por seus palácios e mosteiros e as estruturas de suas abadias ainda são visíveis entre as ruínas.

"Os cristãos viveram um longo período na região de Hira, onde representavam a terça parte da população da cidade: a tribo Al-Abad era a mais conhecida de suas comunidades", disse Yahya Al Kadhim Sultani, professor da Universidade de Kufa, perto de Najaf.

"Hira se caracterizava por um certo número de igrejas e pela prática de diversas atividades, tanto científicas quanto culturais", acrescentou.

Estes locais demonstram a importância da presença cristã no Iraque, em um momento em que sua comunidade é alvo de ataques violentos por parte de extremistas, que empurraram para o exílio centenas de milhares deles.

Negligência Hira continuou sendo a capital até o século VII, quando forças leais ao general árabe muçulmano Khalid Bin Al-Walid a conquistaram por ordem de Abu Bakr, sucessor direto do profeta Maomé.

Várias séries de escavações foram realizadas nas últimas décadas, destaca Jabari. Cientistas da Universidade de Oxford exploraram o sítio nos anos 30 e especialistas em antiguidades iraquianos fizeram escavações em 1938, 1956 e 1957.

No entanto, após a invasão do país pelos Estados Unidos, em 2003, e a queda de Saddam Hussein, a pesquisa arqueológica está agora longe e ser uma das prioridades do governo, apesar dos 12.000 sítios identificados em território iraquiano.

As equipes estrangeiras tiveram que abrir mão de explorar o Iraque devido à violência, que diminuiu, mas que continua. Os que chegaram ficam confinados no Curdistão, região iraquiana autônoma do norte, muito mais estável do que o restante do país.

"As escavações na região foram retomadas em 2007, quando as obras de ampliação do aeroporto de Najaf foram realizadas. O primeiro dos três sítios foi descoberto então" e "trabalhamos para preservá-lo do processo de ampliação", afirmou.

Desde então, novas escavações em uma superfície de 3.000 metros quadrados revelaram várias estruturas de barro, cruzes entalhadas nas paredes e um bloco de mármore com a inscrição: "bênçãos de Deus e Deus perdoa os discípulos de Cristo".

Em 2009, o serviço a cargo das antiguidades na província de Najaf anunciou a descoberta de 2.100 objetos arqueológicos como moedas, fragmentos de cerâmica e construções que datam da época da dinastia lamide.

"No entanto, a exploração terminou faz um ano, com o encerramento do projeto por falta de dinheiro. Desde então, nenhum trabalho de manutenção foi feito nos sítios", acrescentou Jabari, que adverte que se continuar esta negligência vai para a "destruição" pura e simples destas antiguidades.

quinta-feira, 17 de maio de 2012

Alvoroço santo


Missões Nacionais

Realizamos um culto em um dos bares da comunidade da Mutamba da Caeira, com o consentimento do dono. Queria chegar lá e falar para os bêbados, por isso pedi ao Sr. Carlos, dono do bar, que não avisasse a ninguém. Chegamos e havia algumas pessoas bebendo. Os meninos convidaram os vizinhos e então começamos com alguns cânticos, depois uma encenação evangelística e as pessoas, que de início pareciam assustadas, iam ficando mais à vontade, depois eu dei uma palavra relacionada à peça. 

No meio da pregação, um dos bêbados começou a fazer perguntas a respeito do amor de Deus para com ele e eu lhe disse que Deus o amava e ele me perguntou: "Assim desmantelado, sujo e fedendo a cachaça?". Terminamos o culto e nos reunimos para lanchar no bar, como tínhamos combinado previamente. Aquele homem, chamado Chagas, veio falar comigo e disse que não aguentava mais aquela vida, que os espíritos o perturbavam muito e que bebia pra poder dormir, pois os espíritos ficavam ao redor de sua rede. Nesta ocasião chegou a nomear pelo menos quatro deles. 

Falei pra ele entregar a vida a Jesus e ele perguntou como fazer. Quando comecei a explicar-lhe, percebi que já não era mais ele a falar, mas um dos espíritos me desafiou. O espírito disse que eu não entraria na casa dele e que um pastor da Assembleia tentou e sua Bíblia pegou fogo e uma pregadora de outro lugar foi lá e caiu na porta da casa. Então eu disse pra ele: eu vou entrar na sua casa e não vou cair porque vou em nome de Jesus e eu estou agora na sua frente de pé e não vou cair, mas você vai ser liberto em nome de Jesus. 

Voltamos pra casa, convidei toda a igreja a orar e jejuar comigo por dois dias, quando íamos visitar aquele homem. Chegamos lá no dia acertado e não o encontramos, ficamos tristes, oramos em frente da casa dele e pedimos a Jesus que o colocasse em nosso caminho. Voltamos procurando por ele no bar, na casa do pai, onde as pessoas diziam tê-lo visto, e nada! Até que o avistamos em frente à Assembleia de Deus e fomos ao encontro dele, que tinha bebido um pouco. 

Voltamos à casa dele e foi lindo. Quando ele abriu a porta já foi se ajoelhando e dizendo que queria entregar sua vida a Jesus. Oramos com ele, cantamos, lemos a Bíblia. Meus queridos, este homem mudou o semblante, os olhos brilhavam, dava glória a Deus, dizia que estava liberto, cantava... foi maravilhoso! Ficamos de voltar no dia seguinte à noite. Chegando lá não o encontramos, procuramos em todos os lugares possíveis e não o encontramos, dissemos pra Jesus que queríamos aquele homem. Dois irmãos se comprometeram de procurá-lo no dia seguinte e assim fizeram e o encontraram, dormindo no quintal do bar desde o dia anterior, segundo o dono do bar. 

Os irmãos o levaram pra suas casas, deram-lhe banho, roupas limpas, comida e adotaram o irmão Chagas. E que alegria quando entramos na igreja e ele estava sentadinho, bem vestido e nos cumprimentou com um largo sorriso. Depois de dez dias sem beber, andando limpo, já começou a trabalhar e disse que os demônios fugiram todos.

Meus queridos, este fato causou um grande impacto em toda a Mutamba. As pessoas estão procurando a igreja, estão perplexas e dizem que nunca viram coisa igual, porque ninguém dava valor àquele homem, mas Jesus o transportou do reino das trevas para sua maravilhosa luz. Naquele dia, no bar, havia 18 bêbados e queremos os outros pra Jesus também e vamos continuar com esta estratégia. O dono do bar aceitou um grupo familiar em sua casa e tem havido um grande alvoroço por aqui. Queremos mais e mais e vamos conquistar este lugar para Cristo a fim de que ele seja verdadeiramente feliz.

Orem por nós, vamos avançar!

Missionária Marta Lúcia 
Projeto Linda Flor - Açu, RN

quarta-feira, 16 de maio de 2012

Alvoroçar o mundo é uma questão de compromisso


Fonte: Missões Nacionais

Quem lê, à primeira vista, Atos 17.6b acha que é um elogio. Mas não o é. Na verdade foi uma denúncia, uma reclamação de alguns religiosos sobre o apóstolo Paulo que estava provocando uma verdadeira revolução religiosa, por onde passava.

Se soubessem, apelidariam Paulo de um verdadeiro tsunami, porque arrastava, por onde passava, uma multidão de novos seguidores do Caminho, a saber, Jesus Cristo.

Nada passava incólume à presença do Apóstolo aos Gentios. Força, determinação, inteligência, senso de oportunidades, tudo isso orbitava no maior nome de toda a cristandade.

Um homem capaz de mudar o mundo que está ao seu redor, ser um instrumento de transformação da história deve nos conduzir a refletir o que podemos fazer para também sermos parte de uma geração disposta a impactar o mundo.

Sobrevoando a Palavra em atos
Paulo seguia em sua segunda viagem missionária. O apóstolo já havia passado por várias cidades, desde o seu envio, em Antioquia . Naquela ocasião, os mestres e líderes da igreja, depois de jejuar e orar, impuseram as mãos sobre Paulo e Barnabé e os consagraram para viagens missionárias . Algo importante a destacar é que nenhuma ação missionária pode prescindir da piedade espiritual e do apoio incondicional da igreja de Cristo.

Para esta viagem Paulo recomeça da cidade de Antioquia "onde haviam sido encomendados à graça de Deus para a obra que acabavam de cumprir".

A turma do Caminho, entretanto, não gozava de prestígio em todos os lugares, por conta dos líderes religiosos locais. A mensagem era libertadora demais, e por isso incomodava. Atos 17.6 é fruto desse incômodo que os seguidores de Jesus causaram. A expressão "têm alvoroçado" o mundo, é uma reclamação sonora dos que não queriam ver a expansão da mensagem de Jesus Cristo.

Contudo, a pregação da Palavra não poderia ser presa. Nada poderia impedir a expansão missionária que começou naqueles dias e atravessou as décadas até chegar aos nossos dias. Isso era missões no coração de Paulo e deve ser no coração da igreja.

O que precisamos fazer para sermos uma geração capaz de transformar a história?

1) Precisamos assumir uma responsabilidade que começa não em nós, mas em mim

O compromisso de Paulo não passava por uma relação coletiva com Deus. Ao contrário, assumia o seu papel como instrumento ou ferramenta nas mãos de Jesus Cristo: "Mas somente tinham ouvido dizer: Aquele que já nos perseguiu anuncia agora a fé que antes destruía" , diz ainda "Já estou crucificado com Cristo; e vivo não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne, vivo na fé do Filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim".

Paulo tinha um compromisso sério com sua experiência com Deus e com Sua obra. Revolucionar o mundo é uma tarefa que começa comigo. Passa pela minha intimidade com Deus e pelo meu amor a Ele.

Não ganharemos o mundo para Jesus enquanto a responsabilidade de cada membro do Corpo de Cristo não for reconhecida. Enquanto jogar para o outro a tarefa que está em sua mão, dificilmente a igreja avançará nos terrenos que precisam ser conquistados.

2) Precisamos desenvolver uma capacidade de olhar o mundo como Deus olha

Paulo foi o grande responsável pela difusão do evangelho e propagação nos primeiros dias da igreja. Tornou-se o maior intérprete da mente de Cristo. Seu olhar contemplava o desejo de Jesus de alcançar as nações com as Boas-Novas do reino de Deus.

Escrevendo aos Filipenses, não apenas exortou a igreja a viver plenamente em Cristo, mas usou suas cadeias, de onde escrevia, como plataforma da pregação do evangelho, para salvação de pessoas. Paulo afirma que "muitos irmãos no Senhor, tomando ânimo com minhas prisões, ousam falar a palavra mais confiadamente, sem temor" .  Segundo ele "tudo isso provém de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo por Jesus Cristo, e nos deu o ministério da reconciliação. Isto é, Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo, não lhes imputando os seus pecados; e pôs em nós a palavra da reconciliação".

A igreja precisa aceitar o grande desafio de olhar o mundo ao seu redor com o olhar paterno de Deus. Há um desafio em cada esquina da cidade. Há uma geografia espiritual que reclama a manifestação dos filhos de Deus. Não podemos entregar o mundo ao bel-prazer e fechar os olhos para as estruturas malignas que o consomem. Tenhamos um olhar capaz de ver essas estruturas como alvos missionários de uma igreja que avança contra as portas do inferno.

3) Precisamos enxergar as suas demandas, com coragem e compromisso

Os anos se passaram, e o mundo mudou e não vem de agora. Não se deu neste momento, mas faz parte de um processo inexorável que pode culminar com males terríveis para toda a humanidade. E isso deve preocupar a igreja de Cristo no Brasil e no mundo.

Para isso é necessário pensar que o mundo está cada vez mais degradado pelo pecado - Há um grito ensurdecedor da natureza, exigindo que o homem a respeite, e não a maltrate. Será que isso é apenas assunto dos órgãos governamentais? Será que isso é apenas problema dos que assinaram acordos mundiais? Se não enxergarmos o mundo como algo "que jaz no maligno" , corremos o risco de batermos palmas para o desenvolvimento que nos ajuda, ao tempo que choraremos o preço que nos cobra.

E, ainda, é preciso pensar que a natureza precisa ser preservada, porque uma ação de Deus não pode ser destruída pelo homem - "tanto o seu eterno poder, como a sua divindade se entendem, e claramente se veem pelas coisas que são criadas".

4) Precisamos de um olhar missionário, capaz de encontrar os necessitados por Jesus, onde eles estiverem

Uma igreja é do tamanho da sua visão sobre Deus. E uma visão correta sobre o amor de Deus pelas pessoas leva-nos a pensar sobre a importância da obra missionária na igreja. Fazer missões ou sustentar a corda missionária não é um mero modelo de igreja, é um princípio!
A obra missionária da igreja local tem que ser fruto de um avassalador sentimento de paixão pelas almas perdidas. Este é um desafio urgente a se produzir no coração da igreja de Cristo e  precisa necessariamente ser amplificada por uma visão capaz de alcançar todas as fronteiras com a pregação do evangelho.

AMADURECENDO NA PALAVRA

1) Como transferimos a responsabilidade missionária que é "minha" para "nós" e fugimos de nosso compromisso com missões?
2) A igreja tem sido hoje instrumento de transformação da história? E como isso tem acontecido?
3) Se dividirmos em grupos, agora, quantas ideias sairiam do coração da igreja para preservação do meio ambiente?
4) Cite 3 grandes desafios missionários às igrejas batistas hoje no Brasil? Você consegue identificar alguns?
5) Como sua igreja pode ser instrumento para "alvoroçar" o mundo, a partir do bairro, da cidade e do estado onde ela se encontra?

Pr. Wellison Magalhães
Formado em teologia e comunicação. Autor do livro "Simplesmente Igreja - viva, santa e acolhedora". Pastor da 1ª IB do Grajaú - Rio de Janeiro (RJ)