quinta-feira, 29 de setembro de 2011

A batalha político-imobiliária pelo controle de Jerusalém


Em 1947, logo após a divisão da Palestina, a ONU colocou Jerusalém sob mandato internacional. No ano seguinte, com a guerra da independência, Israel se apoderou do setor oeste da cidade, enquanto que o setor oriental passou para controle da Jordânia. Durante a Guerra dos Seis Dias (1967), Israel anexou Jerusalém Oriental. Hoje, à força de investimentos, compra de terras e restrições específicas aos palestinos, Jerusalém se move entre a modernidade de seu setor israelense e a pobreza da parte oriental. Jerusalém é o território de um combate imobiliário em cujo interior se movem as sombras da geopolítica. A reportagem é de Eduardo Febbro.

Eduardo Febbro – Direto de Jerusalém, na Carta Maior

Cada pedra é um conflito, cada muro uma leda, cada rocha o rastro sagrado de algum Deus diferente: Jerusalém. Suprema, mágica, polifônica, acolhedora, juvenil, discriminatória e veloz. Capital “eterna” para os judeus, capital da palestina “histórica” para os palestinos, capital fundacional do cristianismo, Jerusalém é uma viagem dentro da viagem, um labirinto de ódio e de amor que está no centro da disputa territorial entre israelenses e palestinos, onde intervém corporações secretas, milionários norteamericanos, ritos religiosos corrompidos por dólares, capitais árabes bloqueados e uma política urbana de manifesto isolamento.

Uma mesma cidade, três religiões, islamismo, cristianismo, judaísmo, três histórias, dois nomes diferentes: Yerushalayim – a paz aparecerá – para os judeus, Al Qods – a santa – para os árabes. Nesta capital poliglota, de cruzes e contrastes, convergem os relatos fundadores das três religiões monoteístas: para os árabes, Jerusalém é, depois de Meca e Medina, o terceiro lugar santo do Islã. Para os judeus, Jerusalém é a cidade conquistada pelo rei Davi no ano de 1004 antes de Cristo, logo depois de Davi se unir às tribos de Israel. Para os cristãos, Jerusalém é o epicentro dos atos fundadores do cristianismo, o lugar onde Cristo viveu a paixão e a ressureição. Jerusalém, capital de quem? A resposta é inequívoca. Como diz Khaled, um comerciante da célebre rua Salah Ad Din, de Jerusalém Oriental: “é de quem tiver mais capital e poder para se apropriar dela”.

Em 1947, logo após a divisão da Palestina, a ONU colocou Jerusalém sob mandato internacional. No ano seguinte, com a guerra da independência, Israel se apoderou do setor oeste da cidade, enquanto que o setor oriental passou para controle da Jordânia. Mas durante a Guerra dos Seis Dias (1967), Israel anexou Jerusalém Oriental. Em 1950, a cidade foi declarada capital do Estado de Israel e, em 1980, a Knesset, Parlamento israelense, a elevou à condição de “capital eterna”. Hoje, à força de investimentos, compra de terras e restrições específicas aos palestinos, Jerusalém se move entre a modernidade de seu setor israelense e a pobreza da parte oriental. Um mundo estagnado, marcado pela ausência de infraestrutura urbana e falta de investimentos, e outro mundo desenvolvido, uma cidade moderna, luminosa e cuidada.

A fronteira entre a luz e a limpeza e o caos e a miséria é invisível. Basta descer até o começo de Jaffa Street, dobrar à esquerda, caminhar trezentos metros e, pronto, você está em outro planeta. Na parte leste da cidade não há cinemas, nem teatros, nem bares atraentes. Apesar de seu declarado laicismo, o prefeito de Jerusalém, Nir Barkat, mantem as limitações aos investimentos palestinos em Jerusalém. Ainda que representem 59% da população de Jerusalém Oriental, os palestinos só estão autorizados a construir em 13% desse setor. As permissões de construção demoram uma década para serem outorgadas. Isso leva os palestinos a erguer construções ou ampliar suas casas sem autorização, o que implica a imediata demolição desses puxados. 

As cifras sobre os investimentos municipais são eloquentes. Os palestinos representam 35% da população global, mas só entre 10 e 12% do orçamento municipal é utilizado para investimento em obras de infraestrutura no setor leste. Cerca de 80% das ruas corretamente asfaltadas e dos bueiros em bom estado estão na zona judia da cidade, onde também há 1.000 jardins públicos contra 45 em Jerusalém Oriental. Persiste uma inesgotável sensação de que tudo é feito para levar os palestinos a deixar Jerusalém.

Nada reflete melhor a complexidade da situação do que o bonde inaugurado em 2011. A linha percorre 14 quilômetros em ambos os sentidos, desde o bairro de Pisgat Zeev, em Jerusalém Leste, até Monte Herzl, na parte oeste. Em seu trajeto, a linha é uma espécie de bomba geopolítica: passa pelos bairros judeus construídos no setor de Jerusalém anexado logo depois da Guerra dos Seis Dias e onde a soberania do Estado de Israel não está plenamente reconhecida pela comunidade internacional. 

Em termos do direito internacional, a ocupação e a posterior anexação de Jerusalém Leste foram condenadas pelas resoluções 241, 446, 452 e 465 das Nações Unidas, além de contraria a quarta Convenção de Genebra. A guerra pela posse da cidade tem atores econômicos de peso que jogam entre as sombras e antecipadamente a carta que pode conduzir ao reconhecimento de um Estado Palestino com Jerusalém Leste como capital. Por isso, com lances de milhões, compram o máximo de áreas possíveis.

Os negócios da Richard Marketing Corporation deram lugar a um dos controversos episódios desta confrontação pelas pedras sagradas. A Richard Marketing Corporation é, na verdade, a cobertura da organização sionista Ateret Cohanim, atrás da qual se encontra o milionário norteamericano Irving Moscowitch. Há anos, a corporação vem se dedicando a comprar casas palestinas e áreas situadas na Cidade Velha de Jerusalém, ou seja, no olho do furacão: ali estão a Mesquita de Al-Aqsa (Maomé foi de Meca até a Mesquita de Al-Aqsa), o Domo da Pedra (os muçulmanos acreditam que Maomé subiu aos céus neste local), o Muro das Lamentações (o último vestígio do Templo de Jerusalém, que é o emblema mais sagrado do judaísmo), a Esplanada das Mesquitas e um sem número de edificações ligadas à história do cristianismo, entre elas o Santo Sepulcro.

A Cidade Velha, localizada em Jerusalém Oriental, está dividida em quatro setores: muçulmano, judeu, cristão e armênio. Ali a corporação colocou seus dólares para comprar casas palestinas, cristãs e, sobretudo, áreas e secessões negociadas com a Igreja Ortodoxa Grega. O patriarca Irineu primeiro, hoje recluso em sua espiritualidade, cobrou vários milhões por baixo da mesa em troca de um “aluguel” de 99 anos de um dos lugares mais emblemáticos da Cidade Velha, situado na Porta de Jaffa. Por curioso que pareça, partindo desde a Porta de Jaffa, a primeira placa indicando o Santo Sepulcro está escrito em vários idiomas, incluindo o hebraico, menos em árabe. 

Arieh King, um membro notório de Ateret Cohanim, levou anos comprando quantas casas aparecessem em seu caminho na Cidade Velha e em Jerusalém Oriental. Homem franco e sem rodeios, King está a frente da organização Israel Land Fund. Não tem nada a ocultar: “Jerusalém é o lugar mais importante do projeto sionista. Nós estamos comprando dos árabes para colocar judeus em seu lugar. Não aceitamos que Jerusalém seja dividida”. Arieh King é um autêntico agente imobiliário da judaização de Jerusalém e não esconde isso. Tem em seu “currículo” dezenas de casas compradas e – isso ele não confessa – acordos de compra e aluguel com várias congregações cristãs sensíveis ao dinheiro em cash. Nada o detém, nem sequer a compra de casas palestinas e, além do preço elevado que paga, consegue “a obtenção de um visto para que o vendedor vá para o exterior”.

A história de Arieh King merece um capítulo a parte. Sua atividade, financiada com fundos provenientes do mundo inteiro, tem o mérito da transparência ao mesmo tempo em que revela a luta pela posse da Cidade Santa. “Trabalho para o futuro da nação judia”, proclama sem titubear. Os cristãos palestinos denunciam essa política aplicada de judaização de Jerusalém. Árabes, muçulmanos e cristãos de Jerusalém viram a maneira pela qual, pouco a pouco, as casas situadas nas ruelas da Cidade Velha que levam ao Templo foram mudando de proprietário. 

A batalha imobiliária é uma corrida contra o relógio. Para retomar as negociações de paz, além das fronteiras de 1967, do fim da colonização e do retorno dos refugiados, a Autoridade Palestina reivindica como condição que Jerusalém Oriental seja a capital de um futuro Estado Palestino. Políticas de Estado, municipais e agentes privados participam dessa corrida. Jerusalém é o território de um combate imobiliário em cujo interior se movem as sombras da geopolítica.

Tradução: Katarina Peixoto

terça-feira, 27 de setembro de 2011

Manuscrito do Mar Morto



JERUSALÉM, 26 Set 2011 (AFP)

O Museu de Israel, em Jerusalém, começou a postar na internet nesta segunda-feira os Manuscritos do Mar Morto, que contêm alguns dos textos bíblicos mais antigos da atualidade.

"Os usuários poderão descobrir com precisão e detalhes até o momento difíceis de conseguir, manuscritos que remontam à época do segundo templo", destacou em um comunicado a direção do museu onde estes escritos estão guardados há milênios.

Os documentos, disponíveis em http://dss.collections.imj.org.il/, "são de uma importância extrema, pois constituem a base da herança monoteísta mundial", acrescentou o comunicado.

"Detalhes invisíveis a olho nu podem ser ampliados para até 1.200 megapixels, ou seja, com uma resolução 200 vezes superior à de uma máquina fotográfica comum", explicou.

O projeto foi realizado em colaboração com o site de buscas na internet Google, com o objetivo de disponibilizar gratuitamente os documentos para o público e seu custo é estimado em 3,5 milhões de dólares (2,5 milhões de euros).

Atualmente já se pode ter acesso a cinco manuscritos, inclusive ao de Isaías. Os 900 manuscritos em pergaminho e papiro, encontrados entre 1947 e 1956 nas grutas de Qumran, às margens do Mar Morto, são considerados uma das principais descobertas arqueológicas de todos os tempos. Compreendem textos religiosos em hebraico, aramaico e grego, assim como o Velho Testamento mais antigo conhecido.

Os documentos mais remotos remontam ao século III antes de Cristo e o mais recente foi redigido no ano 70, quando as legiões romanas destruíram o segundo templo judaico. Quando não estão expostos, estes manuscritos permanecem na penumbra, em local reservado com índice de umidade e temperatura idênticos aos das grutas de Qumran.

chw/agr/fc/mvv/dm

Escola Municipal Mário Lira - Conteúdos para prova do 3º Bimestre.

Turmas: 6º anos A, B, C e D.
Páginas:


113, 115,119, 120, 129, 131, 139, 140, 142.

Turmas: 7º A e B.
Páginas:

126, 127, 128, 130, 131, 139, 142, 143, 145.

Turma: 8º
Páginas: 

80, 81, 83, 84, 86, 92, 98, 102, 109.

sábado, 24 de setembro de 2011

Colégio Bereiano - Projeto Internet Segura





Apresentação do projeto Internet Segura nas turmas do 6º e 7º ano do Fundamental II. Esse projeto tem o objetivo possibilitar o acesso seguro a rede de computadores. Sabemos que o mundo virtual tem lá suas ameaças [vírus, conteúdos violentos, pornografia, racismo etc], nesse sentido estamos treinando alguns alunos a multiplicarem informações sobre o bom uso da rede. Esse é um projeto pioneiro em nossa escola e esperamos em Deus que frutifique de modo maravilhoso, bem como atenda as necessidades da nossa comunidade. Orem por essa iniciativa. A todos paz de Cristo.

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Minha Vida, Impacto para a Nação


Minha Vida, Impacto para a Nação

Por Lourenço Stelio Rega, Mestre em Teologia e em Educação, Doutor em Ciências da Religião e diretor da Faculdade Teológica Batista de São Paulo

Um dos textos que mais me inspiram a viver o cristianismo no dia a dia é Atos 17.6b: "Estes que têm alvoroçado o mundo chegaram também aqui.". As pessoas naquela época viviam o seu cotidiano dando conta de seus afazeres e estavam desfrutando de conforto. É mais ou menos como hoje vivemos, sempre esperando um feriado pela frente, de preferência em fim de semana prolongado. Ficamos animados às sextas-feiras por volta das 20 horas, pois à frente teremos um fim de semana. Mas todo fim de semana tem um horário difícil - 20h do domingo. Como você se sente nesse horário aos domingos? É o mesmo sentimento que teve na sexta feira no mesmo horário?

Será que vale a pena viver um tipo de vida assim? Sem sentido, sem esperança? Quando o evangelho chegava numa aldeia ou cidade naquela época havia como que uma "perversão" (santa, é claro) dos costumes e dos hábitos das pessoas. Daí a expressão "estes que alvoroçaram o mundo". No texto original do livro de Atos o verbo "alvoroçar" significa "transtornar", "virar o mundo de perna para o ar". Veja o que significava o evangelho chegar numa região.

Infelizmente com o passar dos anos reduzimos o significado da expressão "o evangelho chegar numa região" a apenas na pregação do evangelho que chegou num local. Reduzimos o cristianismo a atividades eclesiásticas e pregação. Reduzimos o evangelho a apenas a salvação, perdão dos pecados e bênçãos escatológicas.

Ser salvo significa mais do que ganhar de graça uma apólice de seguro contra o incêndio do inferno. No Novo Testamento, todas as ligações com o fato da salvação apontam para um retorno ao Éden, antes da queda - para a restauração de nossa vida ao estado pré-queda. Fomos criados para a glória de Deus, viver para Ele, como seres dependentes. Na queda, rebelamo-nos contra Deus em Adão. Declaramos a nossa independência.

 Jesus Cristo veio não apenas para nos perdoar os pecados, legitimando juridicamente nossa recuperação. Jesus Cristo não veio apenas para nos garantir o céu, dando-nos segurança escatológica. Ele veio para nos dar vida, vida abundante (João 10.10), nos dar verdadeira liberdade (João 8.36). Assim, quando somos salvos nos tornamos nova criaturas, nova criação (2 Coríntios 5.17).

Nestas condições nosso referencial ou centro gravitacional de vida é deslocado de nosso "eu", de nossa vontade, de nossos sentimentos, de nossa visão sobre a vida, para Jesus Cristo. "Ele [Cristo] morreu por todos, para que os que vivem, não vivam mais para si mesmos, mas para aqueles pelos quais morreu e ressuscitou" (2 Coríntios 5.15 - contexto do v. 17 citado anteriormente). Em Gálatas 2.20 temos "vivo não mais eu, mas Cristo vive em mim e a vida que agora vivo na carne, vivo-a na fé no filho de Deus ...". Em Romanos 12.1: "... o vosso corpo em sacrifício vivo ...". Em Lucas 9.23: "se alguém quiser vir após mim, negue-se a si mesmo, a cada dia tome a sua cruz e siga-me".

Enfim, todos estes textos demonstram que a vida cristã não pode se resumir em trabalho eclesiástico e pregação. Vida é vida, vivida no cotidiano. Ser cristão é viver o cristianismo incondicionalmente como um seguidor de Jesus, afinal Ele nos deixou o exemplo para que sigamos as suas pisadas (João 13.15).

Ser cristão é viver neste mundo causando impacto positivo marcado pelos princípios do evangelho em todas as esferas de vida, no emprego, entre os colegas da escola, entre os vizinhos, dentro de nosso lar, no trato das questões ambientais e ecológicas, no trânsito, no cumprimento da cidadania responsável e criativa. Assim, nós temos condições de pregar o evangelho não apenas por intermédio de um plano da salvação, mas também por meio de uma vida que expressa concretamente a mensagem que desejamos expressar ao mundo - Jesus salva, mas também transforma e alvoroça radicalmente nossa vida.

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

A política no seio da igreja

Vejam essa notícia.


A igreja “União Evangélica Pentecostal Venezuelana” (UEPV) afirma que as políticas socialistas adotadas pelo presidente da Venezuela, Hugo Chávez, sejam “sinais visíveis do Reino de Deus inaugurada por Jesus Cristo, nosso redentor”.
Uma carta pastoral emitida após o III Congresso Pentecostal Bolivariano, que aconteceu no final de Agosto no município de Palavecino, assinada pelos bispos Gamaliel Lugo e Esearino Zonza, ressalta que a adoção do ideal bolivariano é parte dos princípios da UEPV, fundada em 1957.
Parte das iniciativas que a igreja elogia em sua carta são amplamente criticadas internacionalmente, como a desapropriação de empresas internacionais que investiam no País. Segundo os Bispos, a UEPV reconhece “os formidáveis avanços no campo da educação, da saúde, a ampliação dos espaços democráticos e de participação popular, o resgate dos nossos recursos naturais e financeiros e, em geral, uma mais justa distribuição da riqueza social da nação”.
Os avanços mencionados na carta, segundo a igreja, eram há muito tempo, desejados pela população venezuelana e pela UEPV. Os Bispos responsáveis pela divulgação da carta afirmam que ainda existem “realidades dolorosas que nos desafiam a continuar na luta por uma Venezuela verdadeiramente socialista”, mas enfatizam que as políticas de Chávez coincidem “com a nossa luta pentecostal bolivariana a favor do bem comum e a construção de uma comunidade humana solidária, à luz do Reino de Deus, que, como disse Jesus, ‘já está entre vocês’”.
Fonte: Gospel+
A associação com governos fortes, inimigos da liberdade parece ser uma cantoria comum no cenário religioso. É do conhecimento de todos o excelente trabalho  realizado pelos romanos na conquista e colonização da América nativa. Naquela época a justificativa era levar a salvação aos selvagens americanos e a coisa foi tão séria que podemos acrescer a esse propósito outro menos digno: livra a América dos verdadeiros americanos, visto que ao lado dos evangelistas marchavam os soldados. Coitado dos nativos! 
O que dizer da conquista da África, Ásia ou qualquer outra dominação. A justificativa religiosa é a primeira a se apresentar. Ela está sempre ao lado do poder. Parece que os "grandes guias espirituais" deste século e de todos os demais esqueceram o que falou o mestre: "o meu reino não é deste mundo" [João 18.36]. 
O que a turma deseja é se dar bem e para isso vale tudo [os meios justificam o fim]. Hoje existe uma mentalidade capitalista dentro das igrejas que supera em muito os verdadeiros valores cristãos. Bençãos é dinheiro no banco, saúde abundante etc. Isso também são bençãos de Deus, contudo não são as únicas. Deus é muito mais que dinheiro, Deus é muito mais do que pensamos. Ele é nosso Salvador e Senhor e isso basta. 

terça-feira, 20 de setembro de 2011

Ateus rasgam a Bíblia em protesto contra o Cristianismo por ela “ser imoral e ilegal”


Nos EUA aconteceu no sábado (17/09) uma manifestação de oposição ao cristianismo, onde um grupo de ateus rasgaram cópias de passagens da Bíblia as quais eles consideram imoral e ilegal.

A manifestação foi liderada por um grupo chamado Os céticos humanista Backyard na base do pier de Huntington Beach no sul da Califórnia. Dentre as passagens bíblicas que foram rasgadas e que o grupo se opem estão Mateus 5:29 e Tiago 5:14-15, que afirma:

Mateus 5:29 -”E logo se lhe estancou a hemorragia, e sentiu no corpo estar curada do seu flagelo” (R.A) e Tiago 5 – 14: “Está alguém entre vós doente? Chame os presbíteros da igreja, e estes façam oração sobre ele, ungindo-o com óleo, em nome do Senhor. – 15: E a oração da fé sslvará o enfermo. e o Senhor o levantará; e, se houver cometido pecados, ser-lhe-ão perdoados.”(R.A).

Bruce Gleason, que lidera o grupo, disse anterior que ele estava “fazendo isto para fazer deste um mundo melhor”, porque ele sentiu que “a razão, ciência e pensamento crítico vai fazer muito mais do que oração e fé.”

Ele insistiu que eles não estavam tentando ofender as pessoas. Apenas folhas de papel impressas das passagens separadas da Bíblia para ser rasgado.Mas perto do final do evento de sábado, o ateu declarado arrancadas algumas páginas da própria Bíblia.

Um dos cristãos que estavam entre os quase 100 manifestantes disse que “Eles deturpam a visão cristã e a forma que a Bíblia é realmente apresentada”.

Fonte: O Diário

domingo, 18 de setembro de 2011


Band-o-Rama Samples - Bachianas Brazileiras .mp3
Found at bee mp3 search engine

Vídeo-aula: Entenda o conflito árabe-israelense

Relacionamento cristão

A lição da EBD desse domingo nos falou acerca dos conflitos e os meios para vencê-los do Pr. Emerson da Silva Pereira [Tiago: A fé em ação. Ed. Cristã Evangélica. 2011. Adulto]. A base bíblica para essa lição foi a carta de Tiago 4.1-10. 

Em sua argumentação o pastor deixou claro que:

  • As guerras e as contendas nascem no interior do homem.
  • Que as nossas fraquezas e inclinações naturais são o motor para a discórdia.

Numa primeira análise poderíamos pensar que as condições externas como a dispersão fosse a causadora de todo esse mal estar. Puro engano. Lógico que esse fator contribuiu, mas não foi o único. No capítulo 3.1-12 e 3. 13-18 da mesma carta temos um vislumbre do que acontecia entre aqueles irmãos.

  • A língua descontrolada.
  • A sabedoria terena.

Alguém ou alguns estavam querendo se dar bem diante daquelas congregações. 
"De onde procedem guerras e contendas que há entre vós? De onde, senão dos prazeres que militam na vossa carne?" [Tiago 4.1]
 A partir do verso 02  temos uma lista de situações nada confortáveis para um grupo de cristão.

  • Cobiçais [...] matais e invejais.
  • Viveis a lutar e a fazer guerras.
  • Pedis e não recebeis, porque pedis mal [...] 

Caramba! Será que alguém poderia imaginar que esse era um ambiente cristão. Os irmãos já pensaram nos efeitos dessa crise no seio da igreja? O Pr. Emerson enumera alguns dos efeitos danosos de toda essa "briga santa":

  • Frustração espiritual - [v. 2-3]
  • Infidelidade espiritual - [v.4]
  • Inimizade espiritual - [v.4]
  • Insensibilidade espiritual - [v.5-6]

Uma igreja que vivencia essa guerra de interesses fica paralisada, no tempo e espaço. Ela pode até crescer numericamente, mas com certeza será uma igreja doente. 

Um clima de paz é condição indispensável para o crescimento de qualquer organismo vivo. Isso é quase uma lei natural. Sabemos que as circunstancias nem sempre são saldáveis, mas a paz, a comunhão, o bom viver é um alvo a ser eternamente perseguido pela igreja do Senhor.

Os irmãos da dispersão ou pelo menos algumas daquelas comunidades não estavam sendo o sal [Mateus 5.13] e a luz do mundo [Mateus 5.14], pelo contrário, eles espelhavam o próprio mundo. Estavam em infidelidade com Deus e isso ficava bem claro com essa disposição a desobediência.

Em Mateus 12.15 Jesus afirma:
"Todo reino dividido contra si mesmo é devastado; e toda a cidade, ou casa, dividida contra si mesma, cairá."
Foi pela preservação do reino e desenvolvimento saudável dos irmãos que Tiago aconselha:

  • a sujeição a Deus - v.7.
  • a resistência a Satanás - v.7.
  • a aproximação de Deus - v.8.
  • a purificação pessoal e limpeza interior - v.8.
  • o arrependimento verdadeiro - v.9.
  • a humilhação perante Deus - v.10. 

Se os irmãos da dispersão [Tg 1.1] observassem os conselhos de Tiago certamente a igreja passaria a testemunhar com mais eficiência do Reino. Por fim, o pastor Emerson conclui: A tendência humana é ver num conflito existente a culpa do outro. A Bíblia nos leva para outra direção. Os conflitos se originam em nós, mostram seus efeitos externamente e só podem ser solucionado através de amor, obediência e santidade. 



quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Apesar de ser um país “sem religião”, igrejas chinesas tem mais fiéis do que todas as igrejas da Europa juntas

É impossível dizer ao certo quantos cristãos existem hoje na China mas ninguém nega que o número cresce rapidamente. O governo diz que são 25 milhões – 19 milhões de protestantes e seis milhões de católicos.

Fontes não oficiais dizem, no entanto, que os números oficiais são modestos demais. Entre as estimativas independentes, as mais conservadoras apontam para uma número em torno de 60 milhões. Muitos acreditam que aos domingos haja, nas igrejas da China, mais fiéis do que em todas as igrejas europeias somadas. Os novos cristãos podem ser encontrados em vilarejos no interior e também nas grandes cidades, onde vivem os jovens de classe média.

Em segredo

A estrutura do cristianismo chinês é complexa. Durante todo o século 20 na China, ele foi associado ao “imperialismo ocidental”. Após a vitória dos comunistas, em 1948, missionários cristãos foram expulsos do país, mas o cristianismo continuou sendo permitido em igrejas aprovadas pelo Estado – desde que essas igrejas se mantivessem fiéis, primeiramente, ao Partido Comunista. Para o líder Mao Tsé Tung, no entanto, religiões eram um “veneno”. Sob seu comando, a Revolução Cultural das décadas de 1960 e 1970 tentou erradicá-las.

Forçados a praticar sua religião em segredo, os cristãos chineses não apenas sobreviveram. Agora, com seus próprios mártires, os fiéis se multiplicaram em número e fervor. Desde a década de 1980, quando crenças religiosas voltaram a ser permitidas, as igrejas oficiais vêm cavando cada vez mais espaço próprio. Elas são subordinadas à Administração do Estado para Assuntos Religiosos. Estão proibidas de tomar parte em qualquer atividade religiosa fora dos locais designados ao culto e têm de aderir ao slogan “Ame o país – ame sua religião”.

Em troca, o Partido promove o ateísmo nas escolas mas se compromete a “proteger e respeitar a religião até o momento em que a religião por si só desapareça”.

‘Igrejas domésticas’

Tanto protestantes quanto católicos estão divididos, na China, entre igrejas oficiais e não oficiais.

A Associação Patriótica Católica, aprovada oficialmente, nomeia seus próprios bispos e não tem permissão de manter qualquer contato com o Vaticano, embora os católicos estejam autorizados a reconhecer a autoridade espiritual do papa. Mas existe no país uma Igreja Católica extraoficial, maior, que conta com o apoio do Vaticano. Pouco a pouco, Vaticano e governo tentam chegar a um acordo. Bispos ordenados são hoje reconhecidos por ambas as partes, nenhuma admitindo uma soberania maior da outra.

Nos últimos meses, no entanto, as autoridades voltaram a adotar uma linha mais dura, fazendo ordenações de bispos contra a vontade do Vaticano. Revidando, o Vaticano excomungou um desses bispos recém-ordenados. Ainda assim, seria um engano descartar a igreja católica oficial.

Nas montanhas a oeste de Pequim, na cidadezinha de Ho Sanju, uma igreja católica erguida no século 14 recebe fiéis até hoje. A fé robusta dos que frequentam a igreja, muitos deles já idosos, resistiu à invasão japonesa e à Revolução Cultural. O hospital do vilarejo é administrado por freiras, uma delas vinda da Mongólia – onde há uma grande concentração de católicos. É em cidadezinhas como essa que a Igreja Católica recruta jovens que receberão treinamento para a vida religiosa. A Igreja Protestante oficial, por sua vez, cresce ainda mais rápido do que a católica.

Em uma manhã de domingo de Páscoa, no centro de Pequim, uma igreja celebrou quatro missas. Todas estavam lotadas, com mais de 1.500 fiéis.

Igrejas domésticas

Quantidades como essa, no entanto, significam pouco em comparação ao número de fiéis que frequentam as chamadas “igrejas domésticas”.

Clandestinas, essas igrejas vêm se espalhando pelo país e incomodando a igreja oficial – que teme que o fervor inspirado por essas igrejas provoque uma reação do governo chinês. O que as autoridades consideram inaceitável é a recusa, pelas igrejas domésticas, em aceitar qualquer forma de autoridade oficial sobre elas.

O Estado teme a influência do evangelismo americano e, de fato, a liturgia de algumas das igrejas domésticas tem natureza semelhante. Mas, em muitos outros aspectos, o movimento das igrejas domésticas parece ser, em grande parte, um fenômeno tipicamente chinês, carismático, energético e jovem. Falando à BBC, uma jovem cristã com bom nível educacional descreveu sua igreja dessa forma: “Temos 50 jovens profissionais nesta igreja. Todos trabalham muito, não têm tempo para atividades sociais”.

“Mas na igreja as pessoas sentem um calor, se sentem bem-vindas. Elas sentem que as pessoas as amam de verdade, então querem fazer parte da comunidade, muitos vêm por isso”.

Curso de casamento

Aos poucos, o Estado vem procurando incorporar o cristianismo em sua “grande ideia” de uma “sociedade harmoniosa” – o slogan que domina a vida pública chinesa. Mas se há uma questão que com certeza preocupa as autoridades é a razão pela qual tantos vêm se voltando para a religião. Hoje, fala-se muito a respeito de uma “crise espiritual” na China. A frase foi usada até pelo premiê Wen Jiao Bao.

Os mais velhos puderam acompanhar de perto como uma sociedade regida por dogmas marxistas e leninistas se transformou em um modelo dos mais viscerais do capitalismo selvagem. Para os jovens que lutam para enriquecer, a confiança nas instituições e a confiança entre indivíduos e entre diferentes gerações está sendo erodida. Um dos mais importantes filósofos da religião no país, o professor He Guanghu, da Universidade Renmin, em Pequim, disse que para essas pessoas, o culto aos bens materiais tornou-se o único propósito de suas vidas.

“Acho muito natural que muitas outras pessoas não se satisfaçam (…) e saiam em busca de algum significado para suas vidas”, disse He Guanghu.

“Por isso, quando o cristianismo entra em suas vidas, elas o agarram com força”.

Fonte: Gnotícias

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Correios se negam a entregar Bíblias porque teriam “conteúdo ofensivo” para pessoas


Várias igrejas pagaram pela produção de gravação de CDs do Evangelho de Marcos em celebração aos 400 anos de aniversário da versão King James (a tradução em inglês mais lida nos EUA e em países de língua inglesa).

Eles deveriam entregar para todas as casas em Jersey (que é parte do arquipélago das Ilhas do Canal, no Canal da Mancha, e que é uma dependência da coroa britânica), mas os líderes das igrejas ficaram espantados quando foram informados de que os trabalhadores dos correios não entregariam os 45.000 CDs.

O Reverendo Liz Hunter do Centro Metodista de Helier disse: “Inicialmente, os correios de Jersey pareceram bem receptivos sobre nos ajudar com a entrega dos CDs. Mas duas semanas depois alguém do departamento de marketing deles nos telefonou dizendo que eles não poderiam fazer a entrega pois poderia ser considerado ofensivo. Disseram que havia regras sobre o envio de material em certa quantidade na ilha e que gravações religiosas poderiam ofender as pessoas. Isso não é evangelho abertamente invasivo, era apenas uma boa idéia dar às todos um CD que eles poderiam escolher ouvir se quisessem”

Grupos de igrejas de toda a ilha se uniram para o projeto, com a meta de entregar 45.000 gravações do Evangelho de Marcos a todas as casas em Jersey.

O Reverendo Hunter acrescentou: “O impacto se dissipou de certa forma. Nós lançamos o esquema ‘Ligar’ na segunda passada e queríamos que cada casa tivesse seu CD ao mesmo tempo nessa semana. Agora nós dependemos de voluntários para fazer a entrega para cada casa, então isso provavelmente demorará quase todo o mês de setembro”.

Os correios de Jersey se desculparam pelo incidente, dizendo que a equipe interpretou mal as regras.

O Diretor Kevin Keen disse: “Entendo que um dos meus colegas disse que o material era ofensivo. Essa decisão foi feita com base nos nossos termos e condições, as quais declaram que eles têm o direito de recusar a distribuição de material que caia na categoria de ‘material promocional que possa causar ofensa’. Claramente isso foi interpretado de forma incorreta. Falei com a pessoa envolvida e escrevi a todos os meus colegas pedindo que viessem até mim se houvesse qualquer dúvida no futuro”.

Os CDs são agora entregues por voluntários

sábado, 10 de setembro de 2011

Como seria o mundo se não houvesse Deus, Bíblia ou Cristianismo? Historiador dá a sua opinião


O historiador e autor do livro “Cristianismo. Questões e debates metodológicos”, André Chevitarese afirma que sem a Bíblia e o cristianismo, o mundo continuaria a dar grande importância à religião, mas seria politeísta, pois segundo ele o culto a um Deus úni se espalhou a com a confecção dos livros que deram origem à Torá e ao antigo testamento, ainda no século 7 a.C, porém, foi com o Novo Testamento que esta ideia se difundiu.

Temos a Bíblia hoje como base na cultura ocidental. Para termos uma idéia de sua influência, basta voltarmos ao século 15, quando Gutenberg criou a prensa de tipos movéis e escolheu como primeiro livro a nela ser impresso, a Bíblia.

Chevitarese defende em sua tese, que se não houvesse sido criado o cristianismo, culturas, crenças e costumes regionais ainda existiriam, pois segundo ele, no politeísmo há mais tolerância e respeito entre as diferenças de credos. Outro fator apontado pelo historiador, é a ciência, “O cristianismo passou a ver as descobertas da ciência como um desafio a Deus e inibiu muitas delas”, diz Chevitarese, que ousa dizer que caso fosse o contrário, o homem já teria povoado a lua.

Chevitares, ainda faz paralelos entre toda a história da antiguidade e a existência do cristianismo. Para ele após a criação da Bíblia muitos dos costumes já existentes na antiguidade foram modificados e adequados segundo o que conveio aos cristão. Segundo relata e acredita o historiados, o natal, data que comemora-se o nascimento de cristo, foi a apropriação de uma festa dedicada a um dos deuses Gregos (Mitra) e que dentro da Bíblia prega-se o trabalho como dignificação dos homens perante Deus, mas se sua existência fosse ignorada, o trabalho continuaria como na antiguidade, separado por elites e servos; a elite fazendo o trabalho intelectual e o restante do povo o trabalho manual.

Um tanto quanto polêmico, Chevitarese discorre em seu livro sobre sua real crença em que a Bíblia, veio como empecilho para o desenvolvimento da sociedade, principalmente, na medicina/ciência (clones, utilização de medicinas orientais, entre outros vários fatores).

Fonte: Gospel+

Pedido de oração missionária - Gadaria, Hindu de Índia


Os Gaderias praticamente abandonaram sua ocupação tradicional da criação de ovelhas e caprinos. Eles são contratados como trabalhadores, principalmente em trabalhos de alvenaria, enquanto alguns estão envolvidos na criação de animais. O Brahman estão empenhados na realização de partos, casamentos e rituais de morte e de transmitir ensinamentos religiosos. Os Gaderias aceitam e trocam a água e alimentos, com todas as outras comunidades locais, exceto o Chura, Chamar e Deha.

Obstáculos ao Ministério

Baixos índices de alfabetização pode ser um obstáculo ao Evangelho, mas não necessariamente. Se os meios de comunicação oral são efetivamente utilizados, os indivíduos podem compreender facilmente.

Ideias ao Ministério

Missionários cristãos precisam levar a mensagem de Cristo para a comunidade Gadaria usando histórias das Escrituras, bem como músicas evangélicas e filmes.

Ore Pelos Seguidores de Cristo

Talvez não existam seguidores de Jesus entre os Gadarias hindus atualmente, mas ore por aqueles que logo o Senhor trará para Si. Ore para que Ele esteja preparando mestres e pastores para eles, e que as Escrituras e outros materiais de estudo sejam providenciados. Ore para que tenham corações ensináveis.

Ore Por todo o grupo
 
Ore para que a comunidade hindu Gadaria seja capaz de cuidar melhor de suas famílias. Ore também para que as viúvas e os órfãos encontrem amparo.

Foco Escritura

"Alegrem-se os céus, e a terra exulte; diga-se entre as nações: Reina o SENHOR"  (1Crônicas 16.31)

Grupo Étnico: Gadaria, Hindu

País: Índia
Janela 10/40: Sim
População Nacional: 6,417,000
População Mundial: 6,447,000
Idioma: Hindi
Religião Principal: Hinduísmo
Bíblia: Completa
Áudio NT - Internet: Não
Filme Jesus: Sim
Áudio gravação: Sim
Cristãos: Pouco menos de 2%
Situação: Não alcançados
Escala de Progresso: 1.1

Por Marcia Pinheiro 09 de setembro de 2011
JMM

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Aos 92 anos, Billy Graham deixa de pregar para multidões e começa a divulgar a Palavra através da internet


Billy Graham não pode estar pregando em estádios por causa da sua idade avançada, mas começou um novo trabalho.
Ele tomou a iniciativa de evangelizar através da internet e poder assim alcançar pessoas on-line com o evangelho.
A Associação Evangelística Billy Graham lançou o programa em versão beta no final de abril, e milhares já viu uma apresentação do evangelho online que incentiva as pessoas fazer um compromisso com Jesus Cristo.
“Todos os dias, as pessoas estão procurando por respostas on-line”, diz Preston Parrish, vice-presidente executivo do ministério para a BGEA. “Em seu momento de necessidade, estamos apresentando a única esperança que temos neste mundo a esperança encontrada através de um relacionamento com Jesus Cristo.”
Veja como funciona: Quando as pessoas entram frases como “O que acontece quando eu morrer?” ou “Por que estou aqui?” nos motores de busca populares, o projeto de evangelismo de Internet BGEA vai dirigir o pesquisador para páginas web relevantes que tratem das questões do pedido e oferece a esperança do evangelho como a solução definitiva e verdadeira de acordo com a necessidade. O pesquisador pode fazer um compromisso com Jesus Cristo, então será capaz de conversar com um “conselheiro” para aprender mais. Conheça como funciona o projeto de evangelização pela Internet, visite SearchForJesus.net. No site, os visitantes poderão ver como o programa funciona, bem como em tempo real compromissos sendo feitas ao redor do mundo.
Nos próximos meses, voluntários treinados “discípuladores” estarão disponível para bate-papo online com os buscadores espirituais em um esforço para levar ainda mais pessoas a ter um relacionamento com Cristo. Além do mais, “discípuladores” vão realizar um acompanhamento de treinamento para aqueles que assumiram um compromisso e incentivá-los a encontrar uma igreja em sua área.
O programa é uma extensão do compromisso BGEA para proclamar o evangelho por todos os meios eficazes disponíveis e incentivar os outros a fazerem o mesmo. Billy Graham foi pioneira no uso de imagens de televisão, rádio e movimento para difundir o Evangelho em todo o mundo. Hoje, BGEA continua, no espírito de inovação através do uso da Internet e mídia social.
“A geração de hoje vive na Internet”, diz Parrish. “Assim como nossa estratégia histórica de ir aonde o povo está-em estádios, arenas cívica e coleta de áreas públicas, estamos fazendo o mesmo chegando no ciberespaço com a Boa Nova do amor de Deus e Sua oferta de perdão e vida eterna por meio de fé em Cristo.
Fonte: O Diário

Igreja Batista comemora 140 anos de Brasil com celebrações especiais


140 Anos: Uma história para a glória de Deus. Este será o tema da Grande Celebração que os batistas brasileiros estão preparando para celebrar os 140 anos da organização da primeira Igreja Batista em nosso país. As comemorações acontecerão, em Santa Bárbara D’Oeste, nos dias 8, 9 e 10 de setembro.

“Os batistas do Estado de São Paulo aguardam os batistas do Brasil para nesses dias celebrarmos a nossa história. Temos motivo para isso, pois há 140 anos estamos proclamando ao Brasil e ao mundo que só Jesus Cristo salva”, declara o Pr. Valdo Romão, Diretor Executivo da Convenção Batista do Estado de São Paulo (CBESP).

A programação da primeira noite, dia 8, quinta-feira, será dedicada a Missões. As atividades terão início às 19h30 com a participação musical da Banda e Coro da Cristolândia, composta por ex-dependentes químicos, moradores da Cracolândia, agora restaurados por Cristo Jesus. A preleção ficará por conta do Pr. Irland Pereira de Azevedo, pastor emérito da Primeira Igreja Batista de São Paulo, capital.

Na sexta-feira, dia 9, será a vez da Celebração da Juventude, com a participação musical da Banda Resgate, das bandas das JUBAS do Estado, do Coral Jovem da PIB de Ribeirão Preto e a ministração da Missionária Analzira Nascimento, que trabalhou em Angola por muitos anos num período crítico daquele país, quando estava em guerra civil.

A Celebração Solene do sábado, dia 10, prevê a inauguração do Marco Histórico, às 16 horas. O Culto Solene terá o Coro da PIB de São José do Rio Preto e o Grande Coro de 200 vozes formado pelas igrejas da região, no louvor, e a preleção do Pr. Carlos Novaes, da Igreja Batista Barão de Taquara, Rio de Janeiro. Ainda no sábado, será lançado o livro “O Marco Inicial Batista”, pela Editora Convicção, de autoria do Pr. Marcelo Santos, da Igreja Batista da Graça, São Paulo.O pastor também é professor de História da Igreja e História dos Batistas na Faculdade Teológica Batista de São Paulo.

A celebração dos 140 Anos dos Batistas Brasileiros será realizada no Espaço de Eventos da Usina de Santa Bárbara D’Oeste, que fica no Km 01, em Santa Bárbara D’Oeste, no Interior Paulista.

Fonte: Creio

Escola de gladiadores descoberta na Áustria

Um grupo de arqueólogos descobriu as ruínas de uma escola de gladiadores nos arredores de Viena, na Áustria. Descrito como "sensacional", o achado irá fornecer novas informações sobre a vida dos lutadores que viveram durante o Império Romano.

No local, 45 quilômetros a leste da capital austríaca, existem ainda vestígios da sala de treino aquecida em que os homens se preparavam. A escola foi encontrada por baixo da antiga aldeia romana de Carnuntum, que conta com um dos anfiteatros mais ricos alguma vez descoberto. Segundo a equipe de arqueólogos, esta é a primeira escola de gladiadores a ser descoberta fora de Itália.

As imagens de radar mostram um complexo, rodeado de paredes grossas, com 40 quartos onde os lutadores viviam e que, de acordo com a AFP, eram tão pequenos que lá dentro mal se conseguia andar.

Frank Humer, um dos arqueólogos envolvidos na descoberta, explicou que "os paus de madeira tradicionalmente usados pelos gladiadores para derrotarem o seu rival durante os treinos ainda são visíveis no meio da arena da escola". Em entrevista à revista alemã "Der Spiegel", Humer afirmou que a descoberta apenas foi possível graças aos avanços significativos no equipamento para pesquisar e perfurar o solo, que permitiu aos arqueólogos identificar claramente as estruturas soterradas. "Agora sabemos o que está lá em baixo e podemos levar o nosso tempo antes de decidir se devemos escavar", sublinhou.

Segundo as autoridades austríacas, o início das escavações ainda não tem data marcada, uma vez que a equipe necessita de elaborar um plano para conservar o mais possível das ruínas. "Quando alguém tem um ferimento grave, primeiro é preciso fazer uma série de radiografias, antes de o cirurgião fazer o seu trabalho", justificou Wolfgang Neubauer, diretor do Instituto Ludwig Bolzman para a Prospecção Arqueológica e a Arqueologia Virtual.

Além da arena e dos alojamentos, a escola conta ainda com um espaço de treino aquecido que os lutadores deviam usar no Inverno, balneários, escritórios administrativos. A palavra gladiador vem do termo latino "gladius", que significa espada, e durante o Império Romano estes homens - muitas vezes criminosos, prisioneiros de guerra e escravos - eram atiçados uns contra os outros ou contra animais selvagens para entretimento do público. A maioria morria de forma violenta em combate, mas se pelo destino se tornavam famosos podiam ser libertados. Eram muitas vezes admirados pela sua coragem, homenageados em peças de arte e enterrados em túmulos ornamentados em sinal de respeito.

Frank Humer contou que as imagens obtidas por radar mostram ainda um espaço que poderá ser o cemitério dos gladiadores. "Para o arqueólogo o próximo passo é construir um modelo do tamanho real da escola. Se tudo correr bem, podemos até não ter de escavar - vamos ter a possibilidade de a deixar debaixo da terra, onde não será danificada", afirmou.

Com cerca de 50 mil habitantes, Carnuntum era a capital da província romana da Panónia, que ocupava a Áustria e grande parte dos Bálcãs. Os especialistas dizem que a escola foi fundada na metade do século I a. C. Estes combates sangrentos atingiram o pico entre o século I a. C. e o II d. C. e continuaram até ao século IV, quando o cristianismo passou a religião oficial do império.

Os gladiadores foram responsáveis por uma das maiores revoltas contra o império. Em 73 a. C., 200 gladiadores, comandados por Espártaco, revoltaram-se e libertaram milhares de escravos, tendo sido preciso vários exércitos romanos para os derrotar.

por Sara Sanz Pinto, Publicado em 07 de Setembro de 2011 
Ultima Hora  

sábado, 3 de setembro de 2011

Construção de templo em Nampula


Odete Dossi desenvolve um abençoado trabalho missionário em Nampula, Moçambique. No dia 24 de julho, começaram um trabalho missionário na aldeia de Namixoxo que se reúne, atualmente, debaixo de uma mangueira. O grupo é formado por cinco famílias e o líder não sabe ler nem escrever. Esta é a realidade naquele local, onde precisam fazer um plano de trabalho para a abertura de uma frente missionária. Eles precisam de recursos financeiros e das orações dos crentes.

Odete Dossi informa, também, que a construção do templo da Igreja de Rex está avançando; eles já estão cultuando a Deus dentro desse novo templo. “Derrubamos uma tapera, que era feita de barro e coberta de capim, e já levantamos as paredes e a cobrimos de zinco. Agora nos falta recurso para o acabamento final”, esclarece a missionária.

Uma unidade do PEPE, programa socioeducativo e evangelístico, está funcionando dentro de uma nova sala, que foi inaugurada na segunda semana de junho. Na ocasião eles projetaram um filme para as crianças; para a missionária, foi muito bom vê-las todas felizes. Mais de 40 crianças são atendidas nesse PEPE, mas existem mais de 1.800 que precisam de Jesus.

Odete Dossi continua discipulando um bom grupo para o batismo. Segundo a missionária, eles aprendem muito devagar, pelo fato de falarem o dialeto macua e entender pouco o português. Mas ela consegue fazê-los entender em português porque esta classe é um ramo da classe de alfabetização.

“Mesmo em meio a essas dificuldades, tenho certeza de que o Espírito Santo fará a Sua obra”, diz a missionária.



Com informações da JMM

Escola Municipal Mário Lira - Folclore.

Suave Pecado - 1º Episódio


A Primeira Igreja Batista em Bento Ferreira, no Espírito Santo, está lançado na internet um projeto inédito, trata-se de uma web minissérie, “Suave Pecado” que mostrará a vida de uma família de evangélicos.


Celso e Silvia são os pais dos jovens Bruno e Julia, apesar de frequentarem uma igreja protestantes eles não levam a sério os valores éticos e morais pregados na igreja, com exceção de Silvia, que espera pela mudança na postura de sua família.


No primeiro episódio, Celso vai demonstrar ansiedade com algo e tudo mostra que ele guarda um grande segredo, a produção dessa web minissérie vai contar com os espectadores para decidirem que segredo é esse.


“Suave Pecado” é uma produção de autoria de Samuel Paganoto, que é webdesigner e membro da PIBBF, o elenco também é formado por membros da igreja sob a direção do cineasta capixaba Edson Ferreira em parceria com a Etnia Filmes.


Fonte: Primeira Igreja Batista em Bento Ferreira

Maioria das pessoas pensam que um versículo de Coríntios foi criado pelo Capitão América


O rabino Rami Shapiro, professor da Universidade Middle Tennessee State, disse recentemente ao canal CNN que “a maioria das pessoas que afirmam ter um amor profundo pela Bíblia na verdade nunca leu esse livro”. Se ele está certo, provavelmente a maioria delas não reconhecerá uma citação bíblica quando ler uma.

Ao contrário da crença popular, “Deus ajuda quem se ajuda” não é um versículo da Bíblia. “A limpeza anda ao lado da piedade” também não. “Mais vale um pássaro na mão do que dois voando” tampouco está lá.

Uma pesquisa divulgada este mês pela Sociedade Bíblica Americana fez um teste com os moradores daquele que é considerado o maior país do mundo, e revela algumas surpresas.

A frase “De todos os lados somos pressionados, mas não desanimados; ficamos perplexos, mas não desesperados” foi atribuída pela maioria dos entrevistados ao… Capitão América. As outras opções eram o pastor e ativista Martin Luther King e o ex-presidente George W. Bush. Uma minoria conseguiu perceber que se tratava do versículo de 2Coríntios 4:8, este, sim, presente na Bíblia.

Segundo a Harris Interactive, que realizou a entrevista online a pedido da American Bible Society, nada menos que 63% dos entrevistados achava que a frase fora dita pelo Capitão América, Luther King ou Bush.

Símbolo do nacionalismo americano do pós-guerra, o Capitão América ao que se sabe não citava a Bíblia ao enfrentar os nazistas e posteriormentes outros supervilões.

A iniciativa da Sociade Bíblica Americana visava promover uma nova edição da Bíblia chamada “A Bíblia da Liberdade”, que usa uma tradução contemporânea. A citação foi um exemplo de 3.500 versículos que receberam destaque na “Bíblia da Liberdade” criada para ajudar as pessoas a superar traumas. A pesquisa também perguntou sobre quais eram os maiores traumas dos leitores na última década.

O resultado mostra que apenas 9% dos americanos sentem-se mais seguros hoje do que antes dos atentados de 11 de setembro de 2001, considerando que o terrorisrmo é hoje o maior trauma dos norte-americanos. Também foi divulgado que 82% dos americanos não confiam na Bíblia como uma maneira de os ajudar a lidar com seus traumas. Apenas 4% afirmaram confiar em ajuda profissional para superar traumas e 6% disseram não acreditar que algo pode ajudá-los.

Fonte: Pavablog