quarta-feira, 29 de junho de 2011

Arqueólogos acham ossuário da neta de Caifás em Israel


Foto: EFE - 29 de junho de 2011 • 14h32 • atualizado às 15h36

Ossuário foi descoberto há três anos, mas a autenticidade foi confirmada nesses dias.
Arqueólogos israelenses descobriram um ossuário de 2 mil anos de antiguidade que dizem pertencer à neta de Caifás, sumo sacerdote a quem o Novo Testamento atribui a responsabilidade pela condenação e crucificação de Jesus pelos romanos.
A descoberta foi entregue à Autoridade de Antiguidades de Israel há três anos, após seu roubo por profanadores de tumbas antigas, mas somente agora os pesquisadores da Universidade de Tel Aviv e da de Bar-Ilan confirmaram sua autenticidade.
Em seu exterior, o ossuário tem gravado em aramaico - língua vernácula da região naquela época - a inscrição "Miriam, filha de Yeshua, filho de Caifás, sacerdote de Maaziah da Casa de Imri". "A importância da inscrição está na referência aos ancestrais da morta e na referência à conexão entre eles e a linhagem sacerdotal de Maaziah e a Casa de Imri", declararam os pesquisadores em comunicado.
A pesquisa indica que o ossuário de sua descendente provinha de uma caverna funerária no Vale de Elá, onde eram as planícies da Judéia, cerca de 30 km ao sudoeste de Jerusalém. Os ossuários da região são pequenos cofres que os judeus costumavam utilizar nos séculos I e II para um segundo enterro de seus parentes e onde costumavam depositar unicamente seus ossos.
O cofre que chegou às mãos da Autoridade de Antiguidades está decorado na parte frontal com um estilizado motivo floral, em cima do qual está gravada a inscrição que revela a identidade da morta. Maaziah é o último elo da linhagem dos 24 grandes sacerdotes que serviram no Templo de Jerusalém, e mesmo mencionado no Antigo Testamento, a descoberta representa a primeira referência epigráfica descoberta sobre essa personagem.
Por ter sido extraído sem registro científico, a análise do cofre foi prolongada e exaustiva a fim de determinar tanto sua autenticidade como a da inscrição.

Lacunas educacionais limitam futuro do Brasil



10 de setembro de 2010  16h51



educação. Foto: Getty Images
Na última década, os estudantes do Brasil ficaram entre os piores do mundo ao realizar provas internacionais de conhecimentos básicos
Foto: Getty Images

ALEXEI BARRIONUEVO
Quando Luiz Inacio Lula da Silva assumiu a presidência do Brasil, no início de 2003, ele emocionadamente declarou que, ao se tornar presidente, havia finalmente obtido seu "primeiro diploma". Um dos presidentes menos instruídos do país - Lula completou apenas a quarta série ginasial - logo se tornou um dos mais amados, retirando milhões da extrema pobreza, estabilizando a economia do Brasil e obtendo um status quase lendário tanto localmente quanto no estrangeiro.
Mas embora Lula tenha sobrepujado seu início humilde, seu país segue lutando. Talvez mais do que qualquer outro desafio no Brasil de hoje, a educação é um obstáculo em seus esforços para acelerar a economia e se estabelecer como uma das nações mais poderosas do mundo, expondo um grande ponto fraco em sua armadura.
"Infelizmente, numa era de concorrência global, o estado atual da educação no Brasil significa que o país provavelmente ficará atrás de outras economias emergentes na busca por novos investimentos e oportunidades de crescimento econômico", concluiu o Banco Mundial num relatório de 2008.
Ao longo da última década, os estudantes do Brasil ficaram entre os piores do mundo ao realizar provas internacionais de conhecimentos básicos como leitura, matemática e ciências, acompanhando outras nações da América Latina como Chile, Uruguai e México.
Os estudantes brasileiros de 15 anos ficaram na 49ª posição, entre 56 países, no exame de leitura do Programa para Avaliação Internacional de Estudantes, com mais da metade obtendo a menor nota em nível de leitura em 2006, o ano disponível mais recente. Em matemática e ciências, eles se saíram ainda pior.
"Nós deveríamos nos envergonhar", afirmou Ilona Becskehazy, diretora executiva da Fundação Lemann, uma organização de São Paulo dedicada a aprimorar a educação brasileira. "Isso significa que as crianças de 15 anos do Brasil dominam mais ou menos os mesmos conhecimentos de crianças de 9 ou 10 anos em países como Dinamarca ou Finlândia".
A tarefa enfrentada pela nação - e um legado de Lula - é assustadora. Aqui nesta pobre cidade do nordeste, onde Lula viveu seus sete primeiros anos, cerca de 30% da população ainda é de analfabetos, um número três vezes maior que a média nacional.
Quando Lula era um menino aqui, seu pai costumava bater em alguns de seus irmãos mais velhos quando eles faltavam ao trabalho para ir à escola, disse Denise Parana, autora de uma biografia do presidente.
Hoje, professores dizem que muitos pais mandam seus filhos à escola somente porque isso é uma exigência do programa de subsídio Bolsa Família, que Lula expandiu enormemente sob seu governo e que proporciona cerca de 200 reais por mês a cada família.
Porém, mesmo com o incentivo adicional, os níveis de leitura variam tanto por aqui que, numa classe da oitava série, alunos de 13 a 17 anos leem o mesmo texto em voz alta.
"Muitos pais dizem, 'Por que eles devem estudar se não há oportunidades?'", disse Ana Carla Pereira, professora de outra escola rural local. Como presidente, as políticas educacionais de Lula tiveram um início devagar; ele dispensou dois ministros da educação até se resolver por um, em 2005. Mesmo assim, o programa educacional do governo não começou até 2007 - quatro anos depois que Lula assumiu a presidência.
Agora em seu último ano no cargo e falando sobre seu lugar na história, Lula tem uma "obsessão" pelo assunto, afirmou Fernando Haddad, seu ministro da educação, o que se via com facilidade quando ele retornou recentemente para a cidade de sua infância.
"Quero que todas as crianças estudem mais do que eu pude, muito mais", disse ele enquanto anunciava um programa que daria laptops aos alunos. "E que todos eles obtenham um diploma universitário, que todos tenham um diploma vocacional".
A urgência não poderia ser mais clara. O Brasil já se estabeleceu como uma força global, comandando uma explosão no consumo doméstico e de commodities para se tornar uma das maiores economias do mundo. Com enormes novas descobertas de petróleo e um papel cada vez mais importante no fornecimento de alimentos e materiais brutos à China, o país está pronto para crescer ainda mais.
Mas suas deficiências educacionais estão deixando muitos brasileiros de fora. Dos 25 milhões de trabalhadores disponíveis para se juntar à força de trabalho neste ano, mais de 22% não eram considerados qualificados para atingir as exigências do mercado de trabalho, segundo um relatório do governo de março.
"Em certos estados e cidades, temos problemas para contratar, mesmo tendo empregos", disse Marcio Pochmann, presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, a agência governamental que produziu o relatório de março. Estimativas anteriores mostravam que dezenas de milhares de empregos não foram preenchidas pela falta de profissionais qualificados.
A menos que essa lacuna seja preenchida rapidamente, o Brasil pode perder sua "janela demográfica" nas duas próximas décadas, período onde "a população economicamente ativa está em seu pico", afirmou o banco Mundial.
Haddad, o ministro da educação, disse que mesmo com desempenho fraco em comparação a outros países, o Brasil estava melhorando com mais velocidade que muitos concorrentes. "O Brasil está tentando recuperar o tempo perdido", afirmou Haddad. "Enquanto outros países investiam em educação, nós gastávamos nosso tempo dizendo que a educação não era tão importante".
O governo obteve alguns notáveis sucessos, incluindo um programa que criou cerca de 700 mil bolsas de estudo para alunos de baixa renda em escolas particulares, um esforço aplaudido por especialistas educacionais.
Com Lula, o governo também abriu mais de 180 escolas vocacionais - frente às 140 abertas durante os 93 anos anteriores - e aplicou um novo exame para avaliar o desempenho dos alunos.
As matrículas em escolas têm aumentado continuamente, uma tendência que começou na década de 1990 com o presidente anterior, Fernando Henrique Cardoso - e as notas de graduação para o ginásio aumentaram, sob o governo Lula, de 13% dos pontos a 47%, segundo Haddad.
Esses sucessos, porém, são muito pouco perto do impulso de mudança que alguns especialistas em educação esperavam ver de Lula, considerando seu histórico. Quase nada foi feito para aprimorar a qualidade da educação e os métodos de ensino, e o presidente não usou seu belo púlpito para fazer com que a nação exigisse mais de seus professores e escolas, dizem eles.
"Ele possui essa aura, esse poder, ele influencia muito", disse Becskehazy, da Fundação Lemann. "Ele não usou a oportunidade para inspirar as pessoas".
Tampouco ajudou, acrescentam os críticos, que Lula tenha algumas vezes usado sua própria falta de instrução como parte de um discurso populista para atacar as ¿elites¿ bem instruídas que sempre governaram o Brasil, quase se vangloriando por ter chegado tão longe sem uma educação formal.
"Em seus discursos, ele tendia a jogar o povo menos instruído contra a elite brasileira", afirmou Pochmann.
Encontrar profissionais com os conhecimentos básicos até mesmo para empregos de trabalho manual está se tornando um desafio, e muitas empresas não estão esperando que o sistema educacional brasileiro entre nos eixos. A Odebrecht, gigante brasileira da construção, é uma das muitas empresas que treina um grupo potencial de trabalho por alguns meses em leitura e matemática básicas.
"A educação é a grande desvantagem para o Brasil em comparação com a China, Índia e Rússia", disse Paulo Henrique Quaresma, diretor de recursos humanos da Odebrecht, citando os outros três países que os investidores globais veem como as maiores economias emergentes do mundo. Em Caetés, não é difícil enxergar por que.
"A primeira escola a que meu pai me apresentou foi o cabo de uma enxada", disse José Bezerra da Silva, que, como sua esposa, é analfabeto e não consegue ajudar seus filhos com o dever de casa. O casal e seus sete filhos dividem uma casa de dois cômodos; a estrutura de madeira do sofá aparece por baixo de uma almofada esfarrapada. "Lula mudou muitas coisas".
O índice de repetência de primeira série no Brasil é de 28%, entre os mais altos do mundo, segundo o Banco Mundial - embora o governo afirme que o número vem diminuindo. Escolas do ensino secundário possuem muitos alunos mais velhos, graças à alta taxa de fracassos dos alunos nas séries mais baixas. Muitos dos frustrados simplesmente desistem.
"O Brasil continuará crescendo abaixo de seu potencial", disse Samuel Pessoa, economista do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas. "Se tivéssemos um sistema educacional melhor, as coisas seriam diferentes".
The New York Times
The New York Times

terça-feira, 28 de junho de 2011


As Epístolas de Paulo (II) – 1 e 2 Coríntios 
Visão celestial e despedida

A modéstia de Paulo

Leitura diária: 2 Coríntios 12.11-14
Leitura da Bíblia em um ano: Jó, capítulos 6, 7 e 8


Fica difícil para nós entrever isto, depois de tantas e tantas vezes ter o apóstolo defendido a sua autoridade apostólica sendo obrigado, mesmo, a voltar ao tema por diversas vezes. Sim, como ver a virtude da modéstia em alguém que escreve tantas vezes sobre o mesmo assunto e, agora, ao final da carta, volta a ele com as seguintes afirmativas:

"Tornei-me um insensato; vós a isso me obrigaste; porque eu devia ser louvado por vós, visto que em nada fui inferior aos mais excelentes apóstolos, ainda que nada sou" (2 Co 12.11).

Pode parecer estranho, mas o fato é que, pelo que podemos abstrair de todos os textos relacionados a este assunto, Paulo só o abordava em razão de alguma motivação oriunda de comentários ou cartas do povo crente em Corinto. Em nenhum momento ele iniciou o assunto, sem que fosse provocado por algo advindo de seu rebanho naquela igreja, relacionado ao valor e resultado de seu ministério apostólico.

Neste texto, ele chega a comparar-se negativamente àqueles que ele menciona como "os mais excelentes apóstolos", reconhecendo-lhes, portanto, a sua fidedignidade espiritual. A sua modéstia reside no fato de que quando faz tal comparação o faz colocando-se sempre em plano secundário como, por exemplo, no versículo acima, quando se reconhece como aquele "que nada é".

Para evidenciar isto, menciona os "sinais" evidentes de seu apostolado para todo o mundo cristão. Afirma que os milagres e prodígios, dos quais participou como instrumento de Deus, foram operados sem vanglória ou autoexaltação, mas, sim, "em paciência" e submissão ao Senhor.

Esta virtude é muito necessária hoje. Há muitos evangelistas propagando suas realizações e progressos, esquecendo-se que se mérito há no trabalho que realiza, este pertence ao Senhor Deus que, por meio do seu Espírito Santo, instrumentaliza os homens para a melhor realização da obra que é dele.

Oração para o dia: Coloca-me, Senhor, disposto a cooperar com a tua causa, sabendo que, por melhor que trabalhe, tudo vai depender de tua mão sobre a minha vida.

Fonte:Portal Batista [Convenção Batista Brasileira].

sábado, 25 de junho de 2011

AMEDEO MINGHI -Gerusalemme (auditorio de Roma 2008) HQ



Essa música lembra a missão dos educadores e em especial do Rio Grande do Norte que se encontram em greve a mais de um mês devido a resistência do Estado em implantar o piso nacional dos professor.

Tradução:  JERUSALÉM

“Você mostra o mundo se abriu por seus olhos
amanhecer ao pôr do sol em Ouro Bloom Idéias
E como você entrar em mel
Jerusalém
Jerusalém
Ele é acionado para queimar seus quadris
Traços em marcas do tempo para o coração
Mas como a pedra de volta para você
Jerusalém
Jerusalém
Você é o caminho
Você é a idéia
o universo da vida é você
você é a vida
o universo da vida é você
luz que ilumina a escuridão das crianças
professor de homens estrelas
mãe de todas as mães
imenso coro de cânticos e orações
tecer uma teia de paz
a partir do seu jerusalem amargo
voz de todas as entradas
lenisci dor em silêncio
bela de todas as noivas
entre o belo desejado
justo antes que o sol
portos como uma capa para o céu
Santo Jerusalém
bem-aventurados são a esperança
confiante em seu nome
a respiração de toda a terra
Jerusalem
Jerusalem”

terça-feira, 21 de junho de 2011

Marcha da Liberdade: 'Maconha é o Jardim de Infância do Crack,' Diz Deputado Cristão


Mundo|Segunda-feira, 30 de Maio de 2011 08:56 AM EST

Ele não vê incoerência em ir contra a marcha da maconha como liberdade de expressão, sendo filiado à um partido político que é contra a interferência do Estado na vida do cidadão porque, “essa liberdade não pode vir em detrimento da saúde e segurança da sociedade.”

Na opinião do deputado, que é ligado à Assembléia de Deus, a proposta de descriminalização da maconha representa uma “tragédia.” Ele cita o caso de Amsterdã, na Holanda, em que segundo ele, o centro da cidade, onde era permitido consumir drogas acabou virando uma favela.

Para concluir ele disse que o argumento de que a liberação da maconha vai acabar com o tráfico não é válida, “Os traficantes vão inventar outra droga. Está ai a nova droga, oxi, mais devastadora que o crack.”

No estado de Santa Catarina, ele apresentou um requerimento para a criação da Comissão Parlamentar de Combate às Drogas. Segundo ele, “apenas com o conhecimento do problema será possível uma ação estatal eficiente, que produza resultados capazes de evitar que mais famílias sejam destruídas.”

“Chegou a hora do estado tratar do problema de forma séria, investindo com eficiência. A luta contra as drogas precisa ser prioridade na agenda estatal,” declarou o parlamentar.

Por Amanda Gigliotti|Repórter do The Christian Post

Ministro do STF Sugere Maconha Liberada para Cultos

pós o STF ter liberado as manifestações pró-maconha no país, o que causou protesto por parte de religiosos e grupos de família por alegar que isso faz apologia às droga, o ministro Celso de Mello deu indício no último dia 16, de que a droga poderá ser liberada para uso em cultos religiosos.
Celso Mello foi o relator da ação que liberou na quarta-feira (15) por unanimidade de votos, a Marcha da Maconha. A marcha ocorre todo o ano em diferentes regiões do país em prol da legalização da maconha. Ao comentar sobre essa questão, o ministro sugeriu que o uso da maconha por religiões pudesse ser levado à apreciação da Suprema Corte.
“Eu, mais ou menos, sugeri isso [a ação] em meu voto, lamentando não poder fazê-lo naquele momento por questões meramente processuais”, disse o ministro, segundo a Agência Brasil.
Na ação julgada, a Associação Brasileira de Estudos Sociais do Uso de Psicoativos (Abesup) tentou a liberação do uso de substâncias ilícitas em cerimônias religiosas. Mas, o pedido foi negado pelos ministros que entenderam que ela extrapolava o pedido inicial do Ministério Público, de somente liberar as marchas pela legalização da maconha.
“Hoje, a Constituição do Brasil, cuidando da liberdade religiosa, que admite múltiplas interpretações, reconhece o direito a quem pratica qualquer religião, e o Estado tem que respeitar qualquer liturgia. Se alguém pretender discutir esse tema, é evidente que isso pode ser debatido em uma ação no Supremo”, afirmou Mello, de acordo com a agência.
O ministro fez menção ao uso do chá ayahuasca, liberado para culto, pelas Igrejas Santo Daime e União do Vegetal. Ele alega que o uso do psicotrópico, nesse caso, está vinculado à “liberdade de crença, de culto, de organização religiosa e a liberdade contra a interferência do Estado”, conforme anunciou a Folha.
O Santo Daime é uma doutrina religiosa de inspiração indígena e tem como base o uso ritual da Ayahuasca, uma bebida de origem inca. As Igrejas do Santo Daime já usam em seus ritos a maconha, chamada de Santa Maria.
Para alguns pastores evangélicos a legalização da maconha deve ter como base um Plebiscito. O deputado federal Fernando Francischini (PSDB-PR) pretende coletar assinaturas para a realização do plebiscito.
"Nós temos uma posição contrária, mas o plebiscito é importante para encerrar de vez essa questão", afirmou ele segundo o Parana Online.
Por Michael Caceres|Correspondente do The Christian Post

domingo, 19 de junho de 2011

Arqueólogos descobrem ruínas de uma igreja cristã em Israel



O achado tem características bizantinas que remetem ao início do cristianismo
Arqueólogos descobrem ruínas de uma igreja cristã em Israel
Uma igreja cristã do início do período bizantino foi achada por arqueólogos na cidade de Acre, ao norte de Israel. Segundo a Autoridade de Antiguidades, o prédio é do período entre os anos 324 a 638 depois de Cristo, com características bizantinas (o Império Bizantino sucedeu o Romano em poderio no mundo conhecido da época), com cerca de 1.500 anos.
A igreja foi encontrada pela Autoridade de Antiguidades de Israel, órgão governamental responsável pelo patrimônio histórico no que concerne a artefatos e imóveis, que estava investigando uma escavação não autorizada para a construção de um shopping center na área. Diante dos resquícios significantes de ruínas, o órgão resolveu continuar a exploração.
A igreja remete ao início do cristianismo, com indícios palpáveis que comprovam a informação. Na região algumas residências de cristãos já foram encontradas, mas essa é a primeira vez que um prédio público foi encontrado em Acre.
Em uma das salas da antiga igreja foi achado um piso em mosaico. Na área externa, foi encontrado um poço, que abastecia o complexo de água fresca. O prédio é feito de pedra com enfeites em mármore, com partes forradas de azulejos decorados, ornados com vasos de cerâmica. Também foram encontradas no local moedas e telhas da época.
Fonte: Gospel Prime

Chá das mulheres da Igreja Batista do Alecrim

sábado, 18 de junho de 2011

De que modo descobertas arqueológicas ajudaram a mostrar a confiabilidade da Bíblia?

Ao longo dos anos, muito criticismo tem sido levantado quanto à confiabilidade histórica da Bíblia. Estes criticismos são usualmente baseados na falta de evidência de fontes externas confirmando o registro bíblico. E sendo a Bíblia um livro religioso, muitos eruditos tomam a posição de que ela é parcial e não é confiável a menos que haja evidência externa confirmando-a. Em outras palavras, a Bíblia é culpada até que ela seja provada inocente, e a falta de evidências externas colocam o registro bíblico em dúvida.

Clay Tablet, Ebla

Tablete de argila de Ebla.


Este padrão é extremamente diferente do aplicado a outros documentos antigos, mesmo que muitos deles, se não a maioria, contém um elemento religioso. Eles são considerados acurados a menos que a evidência demonstre o contrário. Embora não seja possível verificar cada incidente descrito na Bíblia, as descobertas arqueológicas feitas desde a metade do século XVIII têm demonstrado a confiabilidade e plausibilidade da narrativa bíblica. Alguns exemplos:
  • A descoberta do arquivo de Ebla no norte da Síria nos anos 70 tem mostrado que os escritos bíblicos concernentes aos Patriarcas são de todo viáveis. Documentos escritos em tabletes de argila de cerca de 2300 A.C. mostram que os nomes pessoais e de lugares mencionados nos registros históricos sobre os Patriarcas são genuínos. O nome "Canaã" estava em uso em Ebla - um nome que críticos já afirmaram não ser utilizado naquela época e, portanto, incorretamente empregado nos primeiros capítulos da Bíblia. A palavra “tehom” (“o abismo”) usada em Gênesis 1:2 era considerada como uma palavra recente, demonstrando que a história da criação foram escrita bem mais tarde do que o afirmado tradicionalmente. “Tehom”, entretanto, era parte do vocabulário usado em Ebla, cerca de 800 anos antes de Moisés. Costumes antigos, refletidos nas histórias dos Patriarcas, também foram descritos em tabletes de argila encontrados em Nuzi e Mari.
  • Os Hititas eram considerados como uma lenda bíblica até que sua capital e registros foram encontrados em Bogazkoy, Turquia. Muitos pensavam que as referências à grande riqueza de Salomão eram grandemente exageradas. Registros recuperados mostram que a riqueza na antiguidade estava concentrada como o rei e que a prosperidade de Salomão é inteiramente possível. Também já foi afirmado que nenhum rei assírio chamado Sargon, como registrado em Isaías 20:1, existiu porque não havia nenhuma referência a este nome em outros registros. O palácio de Sargon foi então descoberto em Khorsabad, Iraque. O evento mencionado em Isaías 20 estava inclusive registrado nos muros do palácio. Ainda mais, fragmentos de um obelisco comemorativo da vitória foram encontrados na própria cidade de Asdode.
  • Outro rei cuja existência estava em dúvida era Belsazar, rei da Babilônia, nomeado em Daniel 5. O último rei da Babilônia havia sido Nabonidus conforme a história registrada. Tabletes foram encontrados mais tarde mostrando que Belsazar era filho de Nabonidus e co-regente da Babilônia. Assim, ele podia oferecer a Daniel "o terceiro lugar no reino" (Daniel. 5:16) se ele lesse a escrita na parede. Aqui nós vemos a natureza de “testemunha ocular” do registro bíblico frequentemente confirmada pelas descobertas arqueológicas.
Autor: Bryant Wood da Associates for Biblical Research. Translated by Ronaldo Melo Ferraz.
Copyright © 1995, Associates for Biblical Research, Todos os direitos reservados - exceto como notado na página “Usos e Copyright” que granjeia aos usuários da ChristianAnswers.Net direitos generosos de usarem esta página em suas casas, em seu testemunho pessoal, em suas escolas e igrejas.

Caim e Abel: diferentes formas de ser.


Hoje eu li Genesis 4.1-16. Esse trecho especificamente nos fala de Caim e Abel. Se observarmos melhor as escrituras chegaremos à conclusão que estamos diante de dois modos de vida distintos: um era agricultor e sedentário e o outro caçador nômade. 

O natural entre os homens é valorizar o modo guerreiro que é a marca do caçador. Nesse sentido faço a seguinte reflexão: Quem são os nossos heróis? A resposta para essa pergunta invariavelmente recairá sobre o individuo mais sanguinário, violento etc. Esses são nossos generais, homens de guerra e não de paz.

Aprendo aqui que essa não é a visão de Deus. Iahweh faz sua escolha [4.4] e ela recai sobre o pacato agricultor. Se você prestar atenção esse tema é recorrente em todo livro de Genesis, ou seja, Deus faz a opção pelo mais novo, mais fraco [Isaque e Ismael, 21; Jacó e Esaú, 25.23,27; Raquel e Lia, 29.15-30 etc] para se contrapor aos símbolos de grandeza desse mundo.  Na sua palavra Ele explicitar essa lógica:

“Mas Deus escolheu as coisas loucas deste mundo para confundir as sábias; e Deus escolheu as coisas fracas deste mundo para confundir as fortes”; 1Co 1:27

A oferta de Abel foi perfeita, pois era repleta de fé [Hb 11.4], de favor, de dependência de Deus, afinal é Ele que faz a cair a chuva fertilizando a terra.

“PEDI ao Senhor chuva no tempo da chuva serôdia, sim, ao Senhor que faz relâmpagos; e lhes dará chuvas abundantes, e a cada um erva no campo”. Zac 10:1

A oferta de Caim era má diante de Deus [1Jo 3.12] uma vez que estava repleta de orgulho, de auto-suficiência o que representa muito bem a figura de um indivíduo que deseja se justificar diante do Senhor por seus próprios méritos [Rom.11.6].

 O verso oito [8] chama especialmente a minha atenção pelo fim abrupto da narrativa [“Caim disse a seu irmão Abel:”]. O que Caim disse a Abel? Silêncio. A bíblia não nos informa. Podemos pensar nesse diálogo. As circunstancias é de fácil dedução, tínhamos um Caim cheio de inveja assassina e em busca de uma justificativa para cometer seu intento maligno. Certamente ele deve ter arrotado palavras tolas acerca de Deus e sua justiça e com certeza seu irmão deve ter rebatido tamanha loucura. Uma vez criado o impasse, tem-se o crime. Caim tinha uma bela justificativa para calar a voz da sua consciência. Matará por justa causa.

Questionado por Deus acerca do seu irmão [verso 9-10] responde grosseiramente “Não sei [mentira]. Acaso sou guarda de meu irmão”? [ironiza]. Essa é a típica atitude de quem não se arrependeu do seu erro. Por isso Iahweh sentenciou: Que fizeste! Ouço o sangue do teu irmão, do solo, clamar para mim! Agora, és maldito e expulso do solo fértil que abriu a boca para receber de tua mão o sangue de teu irmão. Ainda que cultives o solo, ele não te dará mais seu produto: serás um fugitivo errante sobre a terra.”

Caim roga a Deus para preservar a sua vida [verso 13-14] e Iahweh dar um sinal para diferenciá-lo dos demais homens, contudo não concede o seu desejo. Deus não realiza o desejo do ímpio [“Aquilo que o perverso teme sobrevirá a ele, mas o desejo dos justos será concedido”. Pro 10:24], mas dos justos.
A terra Nod foi a parte que coube a Caim [4.16], bem como a todos aqueles que abandonam Deus por qualquer coisa. Aqueles que trocam a segurança do criador pelos prazeres passageiros desse mundo. A terra de Nod é morada dos demônios que igual a Caim vagueiam por terras áridas sem ter onde descansar [“E, quando o espírito imundo tem saído do homem, anda por lugares áridos, buscando repouso, e não o encontra”. Mt 12.43].

Você amigo de perto e da distância reflita sobre essas verdades:

a.       A verdadeira oferta que move o coração de Deus é a fé dos seus fieis.
b.      Deus não avalia os homens pela aparência, feitos ou mesmo poderes terrenos [títulos etc], mas pela sua fidelidade e compromisso com seu reino.
c.       A justificação do homem não é fruto do seu esforço pessoal, mas pela graça de Cristo Jesus.
d.      A inveja, o rancor, a violência não são atitudes que devemos alimentar em nosso coração, mas os frutos do Espírito Santo de Deus [Gálatas 5. 19-23].

“Porque as obras da carne são manifestas, as quais são: adultério, prostituição, impureza, lascívia, Idolatria, feitiçaria, inimizades, porfias, emulações, iras, pelejas, dissensões, heresias, Invejas, homicídios, bebedices, glutonarias, e coisas semelhantes a estas, acerca das quais vos declaro, como já antes vos disse, que os que cometem tais coisas não herdarão o reino de Deus. Mas o fruto do Espírito é: amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança. Contra estas coisas não há lei.”

Somente em Cristo temos a certeza de gozarmos uma eternidade com Deus. Portanto, decida hoje mesmo a entregar sua vida ao Senhor e Salvador Jesus Cristo. Amém!